CLASSIFICADOS
Página Inicial » Artigos » A importância dos aprumos dos cascos de seu gado para a boa performance produtiva e reprodutiva
Curso de gestão de pastagens, planejamento e manejo da teoria à prática, aprenda o método PDCA
aprumos dos cascos bovinos

A importância dos aprumos dos cascos de seu gado para a boa performance produtiva e reprodutiva

Aprumos Corretos (visto de frente)

Aprumos Corretos (visto de frente)

Função do aparelho locomotor para vacas leiteiras: É proporcionar a sustentação e locomoção de toda massa corporal e de forma confortável, garantir a busca por alimentos, a boa performance produtiva e reprodutiva.

Definição e avaliação dos aprumos na vaca leiteira: Aprumos são linhas imaginárias, traçadas sobre o aparelho locomotor, com o objetivo de delinear e avaliar a postura dos animais. Estas linhas são traçadas virtualmente, não existem parâmetros métricos para avaliação, na prática usa-se do bom senso e educação visual, que pode ser aprimorada através do hábito de julgamento e avaliação da composição de pernas e pés dos animais.

Existe uma postura ideal, desejável ou normal, em que o aprumo é considerado correto e existe algumas irregularidades posturais ou postura anormal e indesejável em que o aprumo é considerado incorreto. Para o exame e avaliação dos aprumos, os animais são observados vistos de frente, de lado e por trás, estáticos e em movimento a passo. Pontuações podem ser dadas para uma avaliação individual que resulta em um escore ou composto pernas e pés.

Visto de frente, observamos os aprumos dos membros torácicos ou anteriores, os aprumos corretos são caracterizados por pernas retas, alinhadas, membros paralelos e pinças das unhas direcionadas para frente. Alguns desvios podem ocorrer, o que caracteriza uma irregularidade postural, as mais comumente observadas, visto de frente são: Elevada ou reduzida distância entre joelhos, denominadas de aprumos cambotas e cambaios, respectivamente e elevada ou reduzida distância entre as pinças dos cascos, denominados de pinças para fora e pinças para dentro, respectivamente. Também podem ocorrer desvios nos boletos, para fora ou para dentro.

Pinças Voltadas para Dentro / Aprumos Cambotas

Pinças Voltadas para Dentro / Aprumos Cambotas

Pinças para Fora / Aprumos Cambaios e Pinças para fora / Aprumos Cambaios e Pinças para Fora

Pinças para Fora / Aprumos Cambaios e Pinças para fora / Aprumos Cambaios e Pinças para Fora

Visto de lado e avaliando os aprumos dos membros anteriores, traçando uma linha imaginária partindo do meio da escápula (paleta), em direção ao solo onde divide todo o membro ao meio, até a altura do boleto, incluindo antebraço (úmero), joelho (carpo), canela (metacarpo) e boleto, tocando o solo alguns centímetros atrás dos talões das unhas, logo abaixo das sobre-unhas. As principais irregularidades observadas são o adiantamento ou atrasamento dos joelhos, chamados de transcurvo e ajoelhado respectivamente. Podemos observar também por esta vista, a angulação dos cascos, altura ou profundidade dos talões e força das quartelas, onde podemos ter cascos encastelados ou achinelados, talões altos ou baixos e quartelas fortes ou arreadas e fracas, respectivamente.

Deformidade da Unhas / Deformidade das Unhas e Desvio do Boleto Lateralmente

Deformidade da Unhas / Deformidade das Unhas e Desvio do Boleto Lateralmente

Visto de lado e avaliando os aprumos dos membros posteriores, traçando uma linha imaginária partindo da tuberosidade isquiática (ponto mais caudal da garupa), em direção ao solo onde passa logo atrás e paralelamente ao jarrete e canela (metatarso) tocando o solo alguns centímetros atrás dos talões das unhas, logo abaixo das sobre-unhas. As principais irregularidades observadas são a elevada ou reduzida angulação do jarrete (articulação tíbio-társica), chamados de perna curva ou em foice e perna reta ou de frango, respectivamente. Podemos observar também por esta vista, a angulação dos cascos, altura ou profundidade dos talões e força das quartelas, onde podemos ter cascos encastelados ou achinelados, talões altos ou baixos e quartelas fortes ou fracas e arreadas, respectivamente. As quartelas devem ser flexíveis, porem não muito em pé e nem muito baixas.

A angulação de cascos desejável é próxima ou igual a 45º, angulações maiores caracterizam cascos muito em pé ou encastelados, causam redução da flexibilidade das quartelas e interferem na qualidade da andadura, deixando-a mais dura e dificultosa, o que implica em maior impacto das extremidades ósseas nas articulações. Angulações menores que 45º caracterizam cascos achinelados, esta condição deixa a andadura pesada e dificultosa, o animal dispõe de mais energia para realizá-la.

Encastelamento das Unhas / Pernas excessivamente curvas ("em foice") / Pernas Retas (com reduzida curvatura) e presença de "ovas"nos jarretes

Encastelamento das Unhas / Pernas excessivamente curvas (“em foice”) / Pernas Retas (com reduzida curvatura) e presença de “ovas”nos jarretes

Tanto pernas curvas, quanto muito retas tendem a levar o animal a uma menor vida útil no rebanho devido a problemas de locomoção. Entretanto, mais prejudiciais para vacas são as pernas curvas em demasia, que desgastam o talão dos cascos rapidamente, causando muita dor nas articulações e fazendo com que as vacas produzam menos. Já as pernas retas têm maior importância nos touros, o que causam dificuldade para efetuar a monta, influenciando diretamente os índices reprodutivos do touro e das vacas às quais está servindo. Portanto, são desejáveis, animais com pernas harmoniosas, que na altura dos jarretes apresentam uma ligeira curvatura, não muito acentuada e jarretes limpos.

Quartelas Fracas / Lesão nos Jarretes (bursite) / Achinelamento das Unhas

Quartelas Fracas / Lesão nos Jarretes (bursite) / Achinelamento das Unhas

Aprumos Corretos (vistos por trás)

Aprumos Corretos (vistos por trás)

Visto por trás, observamos os aprumos dos membros pélvicos ou posteriores, os aprumos corretos são caracterizados por pernas retas, alinhadas, membros paralelos e pinças das unhas direcionadas para frente. Alguns desvios podem ocorrer, os mais comumente observadas são: Elevada ou reduzida distância entre jarretes, denominadas de jarretes abertos ou fechados e elevada ou reduzida distância ou medida entre as pinças dos cascos, denominados de pinças para fora e pinças para dentro, respectivamente. Também podem ocorrer desvios nos boletos, para fora ou para dentro. O desejável são pernas bem paralelas, não comprometendo o desenvolvimento do úbere, uma vês que o desenvolvimento e o posicionamento do úbere tem uma relação muito alta com a perna visto por trás.

Quando em movimento o andar deve ser suave, leve e harmonioso, com ausência de claudicações, lesões e desvios laterais de joelhos, jarretes, boletos e deformidades nas unhas. No escore de pernas e pés avalia-se o andar do animal e o quanto, no conjunto, as pernas são paralelas e os jarretes limpos.

Jarretes Abertos

Jarretes Abertos

Como as irregularidades posturais podem interferir na produtividade da vaca leiteira: Em vacas leiteiras a qualidade dos aprumos está diretamente relacionada a saúde geral do animal e a sua longevidade, qualquer irregularidade postural pode determinar, a curto, médio ou longo prazo, condições de desconforto de graus variados, que inclusive podem passar desapercebido e ser negligenciado pelo criador e ainda ser fator desencadeante para outros agravantes clínicos, que no final estes animais serão descartados mais precocemente, quando comparados aos animais com aprumos corretos. Mesmo nos graus mais brandos de desconforto, como num simples achinelamento das unhas, os animais passam a caminhar menos, alimentam-se menos, permanecem boa parte do tempo deitadas, emagrecem e mantêm um baixo escore corporal, a produção leiteira cai e a reprodução é afetada, há ausência de estro e concepção, o ciclo produtivo é quebrado e o animal encaminhado ao descarte. Muitos estudos são realizados na tentativa de estimar este prejuízo, acredita-se que seja em torno de R$ 15.000,00 para cada 100 vacas/ano.

As afecções relacionados às pernas e patas são a terceira maior causa de descarte de vacas leiteiras, em todo o mundo. Dentre os fatores que determinam o descarte involuntário de vacas leiteiras, ou seja, o descarte contra a vontade do criador, em primeiro lugar são as disfunções reprodutivas, como a sub-fertilidade e infertilidade, em segundo lugar as vacas que apresentam afecções da glândula mamária, como as mastites, que causam a redução ou perda da sua função e na seqüência as disfunções do aparelho locomotor, como as irregularidades nos aprumos e as lesões de casco. Também dentre os fatores que determinam o descarte voluntário de animais, ou seja, dentre as características de seleção de um rebanho leiteiro, a qualidade das pernas e patas, são para muitos técnicos, criadores e selecionadores, o primeiro caractere a ser selecionado, pois possui relação direta ou indireta com todos os demais caracteres.

Principais causas das irregularidades posturais em vacas leiteiras: Ao nascerem, a grande maioria dos animais possuem aprumos corretos. Ao se desenvolverem, o sistema locomotor sofre influencia de fatores genéticos, que podem se expressar durante esta fase da vida e transformar ou alterar a postura, e também do meio ambiente que podem alterá-lo de diversas formas. Aos 15 meses de idade ocorre a consolidação óssea e a definição da postura dos bovinos. Poucos estudos tem sido reportados, porem observa-se uma predominância de determinadas deformidades posturais em famílias e também entre as raças. Acredita-se que algumas deformidades possam ser transmitidas de uma geração a outra, porem, entretanto, observa-se também que o meio parece ter maior influencia sobre a qualidade dos aprumos, em detrimento ao fatores genéticos. Os animais criados em ambientes mais naturais, sob reduzida intervenção do homem, apresentam, em geral, aprumos corretos e quanto mais se manejam os animais, principalmente durante a fase de crescimento, maiores as ocorrências de desvios posturais.

Esqueleto das Patas de Bovino

Esqueleto das Patas de Bovino

Em bezerros leiteiros e principalmente os destinados a exposições e pista observa-se uma elevada ocorrência de deformidades posturais em função da presença de três fatores, que podem estar associados ou não: ponderal elevado, acesso a piso abrasivo e falta de casqueamento preventivo. Porem, também, não é possível afirmar que algum tipos de desvio de postura seja especificamente de origem genética e hereditária ou especificamente de falha de manejo, já que, uma mesma deformidade postural, pode estar presente em ambas situações, ou seja, observadas com elevada ocorrência em algumas famílias e ou raça e também observada isoladamente, sob influencia de alguma deficiência no manejo. Acredita-se que animais que apresentam pernas retas, pernas em foice, aprumos cambaios e aprumos cambotas, possam transmitir estas características aos seus descendentes, porem, falhas de manejo também causam estas mesmas irregularidades, que, quando corrigidas precocemente, podem reverter o quadro. Apenas o conhecimento profundo e estatístico dos indivíduos de uma família e ou raça ou linhagem poderá determinar se um caractere vem sendo transmitido às gerações de indivíduos. Analisando o desvio de aprumo, seja qual for, de um indivíduo isoladamente, não caracteriza que o respectivo desvio seja de origem genética. Os fatores ligados ao meio ambiente e relacionados às deficiências de manejo são os principais responsáveis por alterações posturais em vacas leiteiras:

Fatores relacionados à Nutrição: Durante a fase de crescimento o aporte energético, proteico e mineral tem importante função no desenvolvimento saudável do esqueleto e articulações. Animais subnutridos apresentam muito freqüentemente irregularidades posturais. Também os animais que apresentam ponderais elevados são muito freqüentemente acometidos por afecções nas patas e articulações e conseqüentemente às irregularidades posturais.

As laminites são responsáveis por grande parte das irregularidades posturais em vacas leiteiras, em razão da lesões nas patas.

Presença de Lesões: O aparecimento de alguma lesão que leve a claudicação, pode desencadear irregularidade no apoio da pata lesada ao solo e sobrecarga da outra, gerando uma irregularidade postural. A postura normalmente volta ao normal após o tratamento da lesão primária. Quanto mais rápido e precocemente for tratada a lesão primária, menores serão as conseqüências para os aprumos. A docilidade pode interferir na qualidade dos aprumos, animais indóceis são muito suscetíveis a traumatismos e lesões podais. As raças zebuínas são mais resistentes à ocorrência de lesões podais, comparativamente às taurinas.

Tipo de piso: A permanência ou trânsito, periódicos, sobre piso abrasivo, causa desgaste natural excessivo das unhas, desconforto, lesões na sola dos cascos e deformidades nas unhas e nos aprumos.

Imprudência no casqueamento: O desbaste excessivo e o uso imprudente de lixadeira elétrica na sola dos cascos causam lesões e hematomas no seu interior e afetam o crescimento saudável das unhas, ocorrem deformidades na muralha do casco e dos aprumos.

Manejo curativo e preventivo: Para otimizar a performance dos aprumos, reduzir a taxa de descarte por alterações de pernas e pés e elevar o tempo de permanência dos animais no rebanho é indispensável a assessoria de um profissional especializado que realizará um exame periódico do rebanho, diagnóstico das principais ocorrências e estabelecimento de estratégias de controle. Porem algumas dicas podem ajudar o criador:

Importância do casqueamento periódico: Recomenda-se no mínimo duas visitas anuais, porem as melhores performances são atingidas com visitas bimensais onde todos os animais do rebanho são avaliados e àqueles que, julgados necessário, serão examinados e tratados.

Fase de crescimento: Aos 15 meses de idade ocorre a definição dos aprumos em bovinos e os trabalhos de correção, portanto, devem ser iniciados mais cedo, a partir de 5 meses de idade, através de exames periódicos, monitoramento e correções, se necessário. Sabe-se que alguns tipos de desvios não são passiveis de correção, não respondem a aparação corretiva, assim como nos animais maiores de 15 meses de idade.

Fase adulta: Vacas que possuem achinelamento das unhas, unhas compridas, irregularidades e deformidades das unhas, lesões e ferimentos em uma ou mais patas, devem ser imediatamente tratadas.

Pisos abrasivos: Raspar o curral, ao invés de lavar diariamente; Banhar os animais apenas uma vês por semana e colocá-los pra secar sobre a grama; Recobrir a superfície do lavador com borrachões ou tapetes, podem ser medidas de preservação do desgaste natural excessivo das unhas, quando se tem pisos abrasivos e elevados índices de irregularidades posturais.

Trabalhando a docilidade: O conhecimento de técnicas de adestramento e manejo anti-estresse, produz animais dóceis, com reduzidas ocorrências de acidentes traumáticos, desgaste excessivo das unhas e lesões podais.

Seleção genética: Procurar utilizar da inseminação artificial e animais melhoradores, para os caracteres pernas e pés.

Escore de casqueamento: Um estudo dos relatórios periódicos de casqueamento, emitidos pelo técnico Podologista, pode identificar animais com elevado índice ou taxa de casqueamento, os quais deverão fazer parte da relação de descarte, pois certamente, estão elevando os custos da atividade.

Autoria do texto e imagens:
Dr. Luciano Monteiro Marega
Veterinário Podologista Autônomo
Mestre em Cirurgia Veterinária pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), campus de Jaboticabal SP
E-mail: [email protected]

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicadoEstes campos são obrigatórios *

*

x

Checar também

Foto: Fazenda Bergamini

Vermífugos na hora certa pode gerar ganhos de R$ 40 por cabeça

Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita (Unesp) levantou um dado ...

bezerros nelore

Fazenda no Mato Grosso faz a desmama aos 100 dias de idade

O Nortão do MT exibia-se para Pedro e eu, agradecendo a chuva que acabara de ...