CLASSIFICADOS
Página Inicial » Notícias » Exportação de carne para os EUA é vitória coletiva da pecuária brasileira
Curso de gestão de pastagens, planejamento e manejo da teoria à prática, aprenda o método PDCA
exportacoes de carne

Exportação de carne para os EUA é vitória coletiva da pecuária brasileira

A negociação para abertura do mercado norte-americano para a carne bovina in natura brasileira demorou mais de uma década e parecia não ter final feliz. Para o Brasil, essa questão sempre foi prioritária, pois a entrada nos EUA representa a conquista do maior mercado mundial, além do passaporte para outros importantes consumidores, como Japão, Canadá, México e Coreia do Sul, que, juntos, representam cerca de 50% do comércio internacional de carne. A análise é de Fernando Saltão, CEO da Assocon (Associação Nacional da Pecuária Intensiva). “Nessa fase, o volume envolvido significa pouco. O mais importante é a chancela dos Estados Unidos à nossa carne”, ressalta Saltão.

Sacramentada durante visita do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, aos Estados Unidos, a exportação de carne bovina brasileira para os EUA é um exemplo de trabalho em equipe, que incluiu várias ações da iniciativa privada. A Assocon teve importante participação nesse processo. A entidade, em parceria com a Acrimat, foi responsável pela vinda ao Brasil de uma comissão de produtores norte-americanos e de outros países, membros da IBA (International Beef Alliance), que reúne os maiores exportadores de carne bovina do mundo.

“A Assocon e a Acrimat foram aceitos como membros da IBA em 2015. Desde então, nosso trabalho prioritário na Aliança foi trabalhar para trazer os pecuaristas ao Brasil e mostrar para eles que produzimos com qualidade, responsabilidade e segurança alimentar”, explica Marcio Caparroz, Diretor Institucional da Assocon, que participou de fórum da IBA no México, no ano passado. A estratégia deu certo.

“O contato direto da Assocon com pecuaristas dos maiores países produtores de carne bovina, presentes à IBA, foi um passo importante da abertura do mercado norte-americano e comprova o trabalho realizado pela entidade em prol da cadeia produtiva brasileira”, assinala Alberto Pessina, presidente do Conselho de Administração da Assocon. “Valorizar nossa carne e abrir mercados é um dos objetivos que a Nova Assocon tem trabalhado”.

O trabalho continua. O próximo passo da Assocon em relação ao mercado internacional é a inclusão do Brasil na Cota 481, da União Europeia.

Fonte: ASSOCON

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicadoEstes campos são obrigatórios *

*

x

Checar também

Se for levado em conta o cenário do ano passado, somente 41% das propriedades rurais leiteiras do país produzirão a bebida dentro dos padrões legais determinados pelo Ministério da Agricultura, conforme aponta um estudo da Clínica do Leite/Esalq-USP. Foto: Divulgação

Preço do leite ao produtor recuou 11,7% em novembro

O preço médio do leite recebido pelo produtor recuou 11,7% em novembro, na comparação com ...

bezerrada curiosa

A hora certa de usar os vermífugos no gado

O sucesso da produção na pecuária bovina depende, entre outras coisas, de um bom manejo ...