CLASSIFICADOS
Página Inicial » Saúde Animal » [Fotos] E aí pescador, conhece o terrível parasita que se alimenta da língua do próprio hospedeiro?
Curso de gestão de pastagens, planejamento e manejo da teoria à prática, aprenda o método PDCA
peixe com hospedeiro

[Fotos] E aí pescador, conhece o terrível parasita que se alimenta da língua do próprio hospedeiro?

Que tal ter um “bicho” em sua língua sugando seu sangue diariamente? Além de se alimentar da língua de seu hospedeiro, o parasita se oferece para ser o órgão que ele mesmo consumiu.

O animal, dentro da boca do peixe, funciona como uma língua que auxilia na trituração dos alimentos empurrando-os contra os dentes minúsculos do peixe.

O Cymothoa exigua tem acesso à parte interna do peixe através de suas guelras. Este ataque notável é o único exemplo conhecido no reino animal de um parasita que substitui funcionalmente um órgão de seu hospedeiro.

Esta espécie de isópode é hermafrodita protândrica. Isto é, ela primeiramente amadurece como macho, mas em seguida, muda de sexo tornando-se fêmea. Quando um parasita como este entra pelas guelras de um peixe, ele ainda é macho, mas quando outro parasita da mesma espécie também entra naquele peixe, o segundo obriga o primeiro a se transformar em fêmea. Em seguida, ambos partem para as brânquias através da garganta, e se anexam na língua do peixe. É ali que o segundo peixe fecunda a recém-transformada parasita fêmea.

A fêmea se fixa firmemente na língua do peixe por meio de seus sete pares de pernas nos quais possui na ponta um espinho pontiagudo parecido com o ferrão de um escorpião. Ali a fêmea acasala e permanece o resto de sua vida.

parasita-2-768x576

Que tal ter um “bicho” em sua língua sugando seu sangue diariamente? Além de se alimentar da língua de seu hospedeiro, o parasita se oferece para ser o órgão que ele mesmo consumiu.

O animal, dentro da boca do peixe, funciona como uma língua que auxilia na trituração dos alimentos empurrando-os contra os dentes minúsculos do peixe.

O Cymothoa exigua tem acesso à parte interna do peixe através de suas guelras. Este ataque notável é o único exemplo conhecido no reino animal de um parasita que substitui funcionalmente um órgão de seu hospedeiro.

Esta espécie de isópode é hermafrodita protândrica. Isto é, ela primeiramente amadurece como macho, mas em seguida, muda de sexo tornando-se fêmea. Quando um parasita como este entra pelas guelras de um peixe, ele ainda é macho, mas quando outro parasita da mesma espécie também entra naquele peixe, o segundo obriga o primeiro a se transformar em fêmea. Em seguida, ambos partem para as brânquias através da garganta, e se anexam na língua do peixe. É ali que o segundo peixe fecunda a recém-transformada parasita fêmea.

A fêmea se fixa firmemente na língua do peixe por meio de seus sete pares de pernas nos quais possui na ponta um espinho pontiagudo parecido com o ferrão de um escorpião. Ali a fêmea acasala e permanece o resto de sua vida.

DESCARTÁVEL

No entanto, a partir do momento que a língua do seu hospedeiro atrofia, ela já não serve mais como fonte de alimento, obrigando a fêmea e seus filhotes a viverem desde então apenas com as parasitafontes de energia armazenadas. Os cientistas ainda não sabem ao certo em que ponto exatamente os filhotes deixam a companhia da mãe, e saem para encontrar outros peixes para que sirvam como seus próprios hospedeiros.

Brusca acredita que tudo depende do estágio da vida do próprio peixe, que invariavelmente não passa a ter uma vida tão longa, uma vez que tenha um parasita e sua prole em seu organismo. Ambos na verdade estariam condenados: após a procriação o parasita já não tem mais a capacidade de nadar e por isso depende exclusivamente do peixe, que sem sua língua verdadeira não sobrevive por muito tempo.

Segundo biólogos, há ainda muito que aprender, mas está claro que as vantagens deste estilo de vida favorecem apenas ao parasita. O animal não só recebe uma refeição regular por um bom tempo, como fica alocado em um lugar confortável e seguro no qual pode perfeitamente procriar e passar adiante seus genes.

Já o pobre peixe hospedeiro, torna-se uma miserável vítima de um parasita que lhe culmina uma morte prematura e, provavelmente, sofrida.

parasita

parasita em peixes

parasita-Cymothoa-exigua-02

Fonte Jornal 4 Cantos

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicadoEstes campos são obrigatórios *

*

x

Checar também

Se for levado em conta o cenário do ano passado, somente 41% das propriedades rurais leiteiras do país produzirão a bebida dentro dos padrões legais determinados pelo Ministério da Agricultura, conforme aponta um estudo da Clínica do Leite/Esalq-USP. Foto: Divulgação

Preço do leite ao produtor recuou 11,7% em novembro

O preço médio do leite recebido pelo produtor recuou 11,7% em novembro, na comparação com ...

canavial aditivo

Brasil pretende dobrar produção de etanol até 2030, anuncia governo

Presidente da União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica), Elizabeth Farina afirma que esta é a ...