Indústria da cana registra saldo positivo na geração de empregos durante 1º...

Indústria da cana registra saldo positivo na geração de empregos durante 1º semestre

PARTILHAR

Ao final do primeiro semestre de 2016, a cadeia produtiva da cana registrou saldo líquido de 4.870 vagas com carteira assinada, uma significativa evolução em comparação ao número verificado no mesmo período de 2015, quando houve a perda de 3.204 empregos formais. Esta é uma das principais conclusões do levantamento feito pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) a partir de dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados na última semana (27/7).

O diretor técnico da Unica, Antonio de Padua Rodrigues, acredita que este número poderia ser ainda maior se houvesse um programa mais amplo de políticas públicas para o setor. “A geração de novos postos de trabalho seria maior se tivéssemos medidas de longo prazo para estimular a expansão da oferta de etanol, biocombustível que além de proporcionar renda, também contribui para o meio ambiente e saúde da população”, observa o executivo.

Padua Rodrigues ainda afirma que, para atingir a produção de 50 bilhões de litros de etanol para o mercado interno em 2030, meta assumida pelo Brasil durante a COP 21, e explorar toda a potencialidade da biomassa da cana, seria necessário a criação de aproximadamente 750 mil empregos (entre diretos e indiretos) em toda a cadeia produtiva.

Os dados do Caged são mais expressivos quando se referem ao saldo acumulado no período da atual safra (contabilizando os meses de abril a junho), com a indústria canavieira sendo responsável pelo surgimento de 34 mil vagas ante apenas oito mil nos primeiros três meses do ciclo agrícola 2015/2016. No período 2016/2017, o destaque é para a região Centro-Sul, onde foram criados 32 mil novos postos de trabalho, tendo os Estados de São Paulo e Goiás registrado 13.294 e 8.065 empregos, respectivamente.

Em junho, constatou-se a abertura de 6.736 novas vagas contra apenas 3.622 observadas no mesmo mês em 2015. No Rio de Janeiro e em Goiás, as usinas sucroenergéticas criaram 1.485 e 1.149 empregos, respectivamente. Já no Norte-Nordeste, Sergipe ficou em evidência com a ampliação em quase mil postos no mês.

O resultado positivo da indústria da cana contrasta com a recessão econômica do País, que pelo décimo quinto mês consecutivo registra saldo líquido negativo, com o fechamento de mais de 91 mil vagas no mês de junho. Valor somente um pouco inferior ao contabilizado em igual mês de 2015, quando houve o corte de mais de 98 mil postos.

No acumulado deste ano, o saldo negativo se amplia para 531.765 vagas fechadas, resultado muito pior do que o visto nos seis primeiros meses de 2015, quando 305.594 pessoas saíram do mercado de trabalho.

Fonte novacana.com

Deixar um comentário