CLASSIFICADOS
Página Inicial » Artigos » Mormo em equinos, doença infecto-contagiosa que é conhecida também como lamparão
Curso de gestão de pastagens, planejamento e manejo da teoria à prática, aprenda o método PDCA
cavalo1 mormo

Mormo em equinos, doença infecto-contagiosa que é conhecida também como lamparão

O mormo se caracteriza por ser uma doença infecto-contagiosa que também é conhecida como lamparão, tem como agente etiológico é a bactéria Burkholderiamallei. A doença também pode vir a acometer os cães, os gatos, os bodes e o ser humano, por isso é de grande relevância e muito preocupante.

A infecção acontece a partir do contato com fluidos corporais dos animais doentes. Os fluidos são o pus, a urina, a secreção nasal e as fezes. A bactéria Burkholderiamallei entra no organismo por meio da via digestiva, respiratória, genital e cutânea através de alguma lesão, depois chega à circulação sanguínea e aloja-se em diversos órgãos, principalmente nos pulmões e fígado. A bactéria tem um período de incubação de aproximadamente quatro dias.

Mormo equinos

A doença pode acometer os animais na forma aguda ou crônica, sendo a primeira mais comum nos asininos e muares, já a segunda mais comum nos equinos. Os sintomas apresentados na forma aguda da doença são febre, prostração, fraqueza,anorexia, surgimento de pústulas na mucosa nasal que viram úlceras profunda se formação de abscessos nos linfonodos, podendo comprometer o aparelho respiratório surgindo dispneia.

Enquanto na forma crônica é encontrada na pele, fossas nasais, laringe, traqueia, pulmões e cutânea. A doença na forma crônica pode ser similar à forma aguda, porém mais branda. O diagnóstico é feito por meio de técnicas diretas, através do isolamento da bactéria e inoculação em cobaias. Ou ainda por técnicas indiretas, como pesquisa de anticorpos através da fixação do complemento e ELISA. Não existe cura para o mormo, quando é diagnosticada a doença os animais acometidos são sacrificados e a propriedade é colocada em quarentena para desinfecção das instalações.

COMO FAZER O EXAME?

No site www.agricultura.rs.gov.br, na direita da página onde está escrito Mormo, há uma lista com os laboratórios habilitados para realizar o exame e também uma lista de veterinários credenciados. O produtor pode também procurar um profissional de sua confiança. A coleta é feita na propriedade e encaminhada para um dos 19 laboratórios de todo o Brasil.

QUAL VALOR?

Conforme levantamento realizado essa semana, o valor cobrado na maioria dos laboratórios é R$ 45. Em alguns os clientes encontram variação de cinco reais, para mais ou para menos. Apenas em um dos laboratórios o preço era mais salgado: R$ 75 para veterinário e R$ 85 para proprietário.

EXAMES EM LOTE

O valor total do exame envolve três fatores: preço cobrado pelo laboratório, valor da consulta do veterinário e do sedex para fazer o envio. Quem tiver mais de um animal para participar de atividades, ou então tenho conhecidos que também precisam fazer o exame, pode fazer mais de um por vez.

ONDE FICAM OS LABORATÓRIOS?

Os mais próximos ficam em São Paulo (e na maioria o valor não passa de R$ 55,00). Há também laboratórios em Pernambuco, Alagoas, Rio de Janeiro, Baia, Maranhão, Distrito Federal, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Piauí. No Rio Grande do Sul apenas um laboratório está em processo de liberação para que possa realizar o teste.

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicadoEstes campos são obrigatórios *

*

x

Checar também

Foto: Fazenda Bergamini

Vermífugos na hora certa pode gerar ganhos de R$ 40 por cabeça

Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita (Unesp) levantou um dado ...

bezerros nelore

Fazenda no Mato Grosso faz a desmama aos 100 dias de idade

O Nortão do MT exibia-se para Pedro e eu, agradecendo a chuva que acabara de ...