Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?

Índia busca elevar produção de oleaginosas para reduzir importações de óleo vegetal

A produção estagnada de sementes oleaginosas força o país a importar mais de dois terços de seu consumo anual de óleo vegetal.

A Índia intensificará os esforços para aumentar a produção local de sementes oleaginosas, disse a ministra das finanças nesta quarta-feira, como parte dos planos para reduzir as caras importações de óleos vegetais dos principais produtores mundiais do produto na Ásia, América do Sul e região do Mar Negro.

A Índia, o maior importador de óleo vegetal do mundo, gastou um recorde de 20,8 bilhões de dólares em suas compras de óleo comestível no ano fiscal até março de 2023.

A produção estagnada de sementes oleaginosas força o país a importar mais de dois terços de seu consumo anual de óleo vegetal de cerca de 23 milhões de toneladas. O óleo de palma constitui quase 60% do total de importações de óleo vegetal da Índia.

Uma estratégia seria formulada para alcançar a autossuficiência em sementes oleaginosas, como colza, amendoim, gergelim, soja e girassol, disse Nirmala Sitharaman ao apresentar o orçamento provisório para o ano fiscal que começa em 1º de abril.

Uma pesquisa renovada para desenvolver variedades de alto rendimento, a adoção generalizada de técnicas agrícolas modernas, vínculos com o mercado, compras garantidas, agregação de valor e seguro agrícola ajudariam a impulsionar a produção de sementes oleaginosas, afirmou ela.

Ela não mencionou o valor do investimento necessário para a autossuficiência em sementes oleaginosas.

Apesar dos apelos de décadas para aumentar a produção local, a produção de sementes oleaginosas na Índia praticamente estagnou, ao contrário de outras culturas, como arroz e trigo.

A produção de sementes oleaginosas da Índia cresceu a uma taxa anual de 2,4% nas duas últimas décadas, mesmo com o aumento da demanda devido ao crescimento da população.

O órgão do setor de óleos vegetais, a Associação de Extratores de Solventes da Índia, solicitou à ministra das finanças que destinasse apoio financeiro adequado ao novo programa para impulsionar a produção de sementes oleaginosas.

“Nossa meta é reduzir a atual dependência das importações de óleo comestível de 60% para 30% nos próximos cinco anos”, disse Ajay Jhunjhunwala, presidente da Associação de Extratores de Solventes da Índia.

A Índia compra óleo de palma principalmente da Indonésia, Malásia e Tailândia, enquanto importa óleo de soja e óleo de girassol da Argentina, Brasil, Rússia e Ucrânia.

É necessário aumentar os impostos de importação sobre os óleos comestíveis para elevar os preços das sementes oleaginosas locais e torná-las atrativas para os agricultores, disse uma autoridade sênior do setor.

“Apesar de uma queda de 40% a 50% nos preços dos óleos comestíveis, a atual estrutura de tarifas de importação mais baixas persiste. As tarifas de importação devem ser elevadas, já que a soja e a colza estão sendo negociadas abaixo dos preços de compra fixados pelo governo”, disse ele.

Fonte: Reuters

VEJA TAMBÉM:

ℹ️ Conteúdo publicado por Myllena Seifarth sob a supervisão do editor-chefe Thiago Pereira

Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão? Para isso é só entrar em nosso grupo do WhatsApp (clique aqui) ou Telegram (clique aqui). Você também pode assinar nosso feed pelo Google Notícias

Não é permitida a cópia integral do conteúdo acima. A reprodução parcial é autorizada apenas na forma de citação e com link para o conteúdo na íntegra. Plágio é crime de acordo com a Lei 9610/98.

Siga o Compre Rural no Google News e acompanhe nossos destaques.
LEIA TAMBÉM