Abílio Diniz é indiciado pela Carne Fraca

Abílio Diniz é indiciado pela Carne Fraca

PARTILHAR
BRF
Foto Divulgação.

Os indiciamentos aparecem no relatório final da Operação Trapaça, a segunda fase da operação Carne Fraca.

O empresário e ex-presidente do Conselho de Administração da BRF, Abílio Diniz, foi indiciado junto de outros ex-diretores da empresa, pela Polícia Federal, por organização criminosa, estelionato, falsidade ideológica e crime contra a saúde pública.

Entre os executivos da BRF indiciados, está o ex-presidente da empresa Pedro Faria, que chegou a ser preso no início de 2018.

Assinado pelo delegado Maurício Mascardi Grillo, o relatório elenca três provas sobre as fraude:

  • a adulteração dolosa na composição das fórmulas de rações e premix (usado como suplemento vitamínico e mineral em rações produzidas pela empresa), com o uso em processo industrial de elementos proibidos em território nacional e a detecção de resíduos tóxicos de potencial cancerígeno em produtos da BRF
  • a venda em dez estados de, produtos com a bactéria Salmonella Typhimurium, ocultando o fato do Ministério da Agricultura
  • fraudes laboratoriais para alterar os resultados de análises microbiológicas

Outros 42 investigados também foram indiciados.

A Trapaça, desdobramento da Carne Fraca, foi deflagrada em março deste ano. A operação tinha como alvo um esquema de fraudes descoberto na empresa BRF, gigante do setor de carnes e processados.

No relatório de 405 páginas o delegado Mauricio Moscardi, da Polícia Federal em Curitiba, afirma que, a partir da análise de conversas por mensagens de e-mails e Whatsapp, ‘concluiu-se que a prática das condutas delitivas não se restringia ao círculo das equipes técnica e gerencial das fábricas da BRF’.

“Há, de fato, a participação do corpo diretivo da empresa na trama investigada, o qual tinha ciência de seu modus operandi, e que, não somente se omitiu em relação a fazer cessá-lo, mas, também, participou comissivamente dos atos de ocultação das fraudes, norteando sua execução”, aponta o delegado.

“Destaca-se a participação ativa, em caso envolvendo a detecção de resíduo tóxico em carne de frango pelas autoridades chinesas (Dioxina), de Pedro de Andrade Faria (à época Diretor-presidente Global do Grupo BRF), Abílio dos Santos Diniz (à época Presidente do Conselho da BRF) e José Carlos Reis de Magalhães Neto, sócio da Tarpon Investimentos (empresa detentora de “aproximadamente” 7% do capital aberto do Grupo BRF, segundo informações prestadas por Pedro Faria em sede policial).”

O delegado cita, no relatório, uma conversa ocorrida em um grupo do Whatsapp, do qual faziam parte Pedro Faria, Abílio Diniz e José Carlos Reis de Magalhães Neto. O grupo, segundo a PF, foi criado em 12 de dezembro de 2014.

“O contexto das conversas indica o conhecimento do corpo executivo do Grupo BRF sobre a ocorrência de detecção de substâncias nocivas à saúde humana em produtos oriundos das plantas industriais da empresa. Abílio Diniz e Pedro Faria, pela posição hieráquica que ostentavam no quadro corporativo do Grupo, possuíam plena capacidade de orientar os círculos sob sua subordinação a tomar as medidas técnicas e eficazes, em âmbito sanitário, para que se determinasse a causa-raiz da contaminação química dos produtos destinados ao consumo e a regularização do processo industrial”, indica o delegado.

Segundo o investigador, ‘o que ocorreu foram tão somente a lamentação dos executivos pelo vazamento de informação já conhecida (“Abilio e Zeca, infelizmente alguém do ministério vazou a informação”)’, a interlocução sobre o ocorrido e também ‘a tomada de medidas com o fim de “abafar” a disseminação dos fatos descritos em matéria veiculada na imprensa nacional (“Abilio, linda foto! Em relação a China tivemos bom avanço pois conseguimos controlar o vazamento da informação e mantê-lo sob controle”)’.

O início da conversa ocorreu em 9 de setembro de 2015. Pedro Faria enviou aos empresários uma matéria do Estado que tratava da suspensão da venda de frango de 2 unidades da BRF e da Bello Alimentos pela China.

Na avaliação da PF, ‘o Grupo agia de forma organizada e mantinha comunicação permanente, objetivando iludir auditorias, programadas ou inopinadas, em plantas industriais da BRF, eventos nos quais produtos irregulares eram retirados de depósito, e escondidos da fiscalização’.

“A mesma prática era adotada em caso de auditoria de entes estrangeiros, para que as condições de fiscalização estivessem em conformidade adequada a receber as acreditações necessárias para a continuidade de seu processo fabril, e destinação dos produtos, havendo sempre o retorno à rotina irregular de operação tão logo cessassem os atos de auditoria”, relata o delegado.

Nota de Esclarecimento da BRF

Polícia Federal declara que BRF é culpada na Operação Trapaça

Com informações do Estadão e da Jovem Pan.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com