Abraleite pede ao governo garantias para produção de leite

Abraleite pede ao governo garantias para produção de leite

PARTILHAR
Foto: JM Alvarenga/Divulgação

O pedido foi encaminhado ao governo federal pela Abraleite (Associação Brasileiras dos Produtores de Leite) e outras entidades da cadeia produtiva.

O setor leiteiro quer a suspensão temporária do recolhimento de impostos e encargos sociais, como FGTS e INSS (Funrural), a fim de garantir que os pecuaristas continuem produzindo leite e derivados, alimentos essenciais à saúde humano neste momento de pandemia do coronavírus. O pedido foi encaminhado ao governo federal pela Abraleite (Associação Brasileiras dos Produtores de Leite) e outras entidades da cadeia produtiva.

Segundo o presidente da Abraleite, Geraldo Borges, é preciso assegurar condições para que a produção de leite se mantenha em todas as propriedades brasileiras, estimadas em mais de 1,2 milhão. Ao mesmo tempo, diz o dirigente da entidade, o governo deve garantir a logística de captação nas fazendas e de entrega do produto pelas indústrias ao comércio. “A atividade das indústrias de laticínios do país não pode parar.”

Conforme a entidade, é igualmente fundamental que o governo assegure que os insumos cheguem nas propriedades e nos laticínios, além permitir que os produtores possam ter assistência técnica e atendimento veterinário.

“Não é só o leite que precisa sair da propriedade para as indústrias e destas para o comércio. É necessário ainda que o setor tenha embalagens, combustíveis e outros materiais empregados na atividade”, pontua Geraldo Borges.

A Abraleite avalia que alguns prefeitos, pressionados pelo impacto da pandemia, publicaram decretos que obrigam o fechamento da indústria e do comércio, além de restringir o comércio.

“Isso nos preocupa porque inviabiliza o funcionamento da cadeia do leite. É claro que é necessário adotar medidas prevenção ao coronavírus, mas é preciso ter bom senso, porque sem alimentos a situação tende a se agravar.”

Gerado Borges ressalta que tais preocupações já foram encaminhadas pela Abraleite e outas entidades ao governo federal. Como resultado dessa manifestação do setor produtivo, o Palácio do Planalto editou o Decreto nº 10.282, publicado nessa sexta-feira 20 no Diário Oficial da União, que define os serviços públicos e as atividades essenciais ao funcionamento do país.

“Fomos atendidos pela ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e pelo presidente Jair Bolsonaro com a edição do Decreto 10.282”, afirma o presidente da Abraleite.

“Paralelamente, continuaremos trabalhando para que medidas adicionais sejam tomadas pelos governos federal e estaduais para possibilitar que os pecuaristas leiteiros continuem produzindo para levar leite e derivados à mesa dos consumidores brasileiros.”

O presidente da Abraleite destaca ainda que “os produtores de leite, mesmo diante das adversidades enfrentadas nos últimos anos, têm compromisso com o abastecimento de alimentos do Brasil e não podem ser impedidos de trabalhar justamente num momento que produtos como o leite são fundamentais para a saúde da população”.

As informações são do AGROemDIA.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com