África cresce no agro com ajuda da China, e agora?

África cresce no agro com ajuda da China, e agora?

PARTILHAR

Nos primeiros 11 meses do ano passado, comércio bilateral entre os dois lados atingiu US$ 167,8 bi, diz MOC. Continente poderá se tornar o centro alimentar do mundo!

Africanos vivem revolução digital agrícola (continente poderá se tornar o centro alimentar do mundo). Tecnologia tem impactado na agropecuária do país. A gigante asiática é responsável pelo grande investimento que o continente vem obtendo. Confira!

As importações chinesas de produtos agrícolas de países africanos aumentaram 4,4% em um comparativo anual, considerando os primeiros 11 meses de 2020, marcando quatro anos consecutivos de crescimento positivo, de acordo com o Ministério do Comércio (MOC) da China na quinta-feira (14). As informações são da agência estatal Xinhua.

Nos primeiros 11 meses do ano passado, o valor do comércio bilateral dos dois lados atingiu US$ 167,8 bilhões, disse o porta-voz do MOC, Gao Feng, em uma coletiva de imprensa.

Importações chinesas de produtos agrícolas da África saltaram mais de 4% no acumulado de 2020.

“O fluxo de investimento direto da China para a África aumentou 0,04% ao ano, para US$ 2,8 bilhões, enquanto o valor dos novos contratos para projetos de engenharia assinados por empresas chinesas na África atingiu US$ 55,1 bilhões, um aumento anual de 13,3%”, disse Gao.

A China tem sido o maior parceiro comercial da África por 11 anos consecutivos e se tornou o segundo maior importador de produtos agrícolas da África.

“O país ajudou a África a construir mais de 6.000 quilômetros de ferrovias e rodovias, quase 20 portos, mais de 80 instalações de energia em grande escala, mais de 130 instituições médicas, 45 estádios e 170 escolas”, acrescentou Gao em coletiva.

As empresas chinesas criaram mais de 4,5 milhões de empregos na África.

Com informações da Xinhua

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com