Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?

Agricultores furiosos protestam com tratores e incêndios na cúpula da UE

Manifestantes jogaram ovos e pedras no prédio do Parlamento Europeu

Agricultores deslocaram-se a Bruxelas para pressionar uma cúpula de líderes da União Europeia a fazer mais para os ajudar com impostos, custos crescentes e importações baratas, atirando ovos no Parlamento Europeu, provocando incêndios perto dos edifícios e soltando fogos de artifício.

As principais vias de Bruxelas, o coração da União Europeia, foram bloqueadas por cerca de 1.000 tratores, segundo uma estimativa da polícia.

Um trator exibia uma faixa que dizia “Se você ama a terra, apoie aqueles que a administram”, enquanto agricultores da Bélgica e de outros países europeus tentavam fazer-se ouvir pelos líderes da UE que se reuniriam mais tarde.

Outra faixa dizia: “Sem agricultores, sem comida”.

A polícia ficou de guarda atrás das barreiras onde os líderes se reuniriam, a poucos quarteirões do edifício do Parlamento Europeu, onde os tratores estavam estacionados numa praça central.

“Se você vir quantas pessoas estão aqui hoje, e se você vir que está por toda a Europa, então você deve ter esperança. Devemos ter esperança de que essas pessoas vejam que a agricultura é necessária. É a comida”, disse Kevin Bertens, um agricultor dos arredores de Bruxelas.

Os agricultores dizem que não recebem o suficiente, estão sufocados por impostos e regras verdes e enfrentam concorrência desleal do exterior.

Eles já garantiram diversas medidas, incluindo as propostas da Comissão executiva do bloco para limitar as importações agrícolas da Ucrânia e flexibilizar algumas regulamentações ambientais em terras em repouso.

Na França, onde os agricultores protestam há semanas, o governo abandonou os planos para reduzir gradualmente os subsídios ao diesel agrícola e prometeu mais ajuda.

Mas os agricultores dizem que isso não é suficiente e os protestos espalharam-se por países como Bélgica, Itália, Espanha e Portugal.

REUTERS/YVES HERMAN

Negociações de acordo comercial com o Mercosul

Os protestos em toda a Europa acontecem antes das eleições para o Parlamento Europeu, em junho, nas quais a extrema direita, para quem os agricultores representam um eleitorado crescente, deve obter ganhos.

Embora a crise dos agricultores não esteja oficialmente na agenda da cúpula da UE, é inevitável que seja discutida, pelo menos à margem.

Já com todos os olhares voltados para Viktor Orbán, enquanto os outros 26 líderes da UE querem convencê-lo na cúpula a aderir a um plano para oferecer financiamento estável à Ucrânia, o primeiro-ministro húngaro fez questão de se reunir com os agricultores durante a noite.

“Precisamos encontrar novos líderes que representem verdadeiramente os interesses do povo”, disse o seu porta-voz, referindo-se às eleições para o Parlamento Europeu.

“A @EU_Commission deveria representar os interesses dos agricultores europeus contra os da Ucrânia, e não o contrário”, disse ele, citando Orbán.

Ao chegar à cimeira, o primeiro-ministro belga, Alexander De Croo, disse que as queixas dos agricultores deveriam ser discutidas.

“Eles oferecem produtos de alta qualidade, também precisamos ter certeza de que eles conseguem o preço certo pelos produtos de alta qualidade que fornecem”, disse ele.

Entretanto, o primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, repetiu a oposição do presidente francês, Emmanuel Macron, à assinatura de um acordo comercial com o grupo Mercosul de países sul-americanos na sua forma atual – outra exigência fundamental para os agricultores.

Na França, onde os agricultores intensificaram os protestos no início da semana, o impacto de dezenas de bloqueios começa a ser sentido, disse Eric Hemar, chefe de uma federação de empregadores de transportes e logística.

“Fizemos uma sondagem entre os membros da nossa federação: todas as empresas de transporte são impactadas (pelo protesto dos agricultores) e perderam nos últimos 10 dias cerca de 30% das suas receitas, porque não conseguimos entregar a tempo ou com atrasos, “, disse ele à emissora Franceinfo.

Fonte: CNN

VEJA TAMBÉM:

ℹ️ Conteúdo publicado pela estagiária Ana Gusmão sob a supervisão do editor-chefe Thiago Pereira

Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão? Para isso é só entrar em nosso grupo do WhatsApp (clique aqui) ou Telegram (clique aqui). Você também pode assinar nosso feed pelo Google Notícias

Não é permitida a cópia integral do conteúdo acima. A reprodução parcial é autorizada apenas na forma de citação e com link para o conteúdo na íntegra. Plágio é crime de acordo com a Lei 9610/98.

Siga o Compre Rural no Google News e acompanhe nossos destaques.
LEIA TAMBÉM