Bahia investiga eficiência do pó de rocha como nutriente para o solo

Bahia investiga eficiência do pó de rocha como nutriente para o solo

PARTILHAR
Agricultores baianos vão investir em pesquisas para enriquecer o solo a baixo custo (Foto: Binyamin Mellish/Creative Commons)

Agricultores do Estado anunciaram parceria e investimento em pesquisa, método pode ter baixo custo na produção

Agricultores baianos querem descobrir o grau de eficiência do pó de rocha moída como fonte de nutrientes para o solo. O projeto de pesquisa é uma parceria da Fundação Bahia, da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) e da Associação dos Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba).

Segundo Éder de Souza Martins, pesquisador da Embrapa Cerrados, responsável pelos estudos, há resultados já favoráveis, que indicam o pó de rochas silicáticas como fonte de potássio para o solo. Ele conduz estudos sobre remineralizadores (insumos formados por rochas silicáticas moídas) oriundos de rochas abundantes no Brasil desde 2000.

O pesquisador apresentou suas análises a produtores e técnicos do oeste baiano na última segunda-feira (29/1) e destacou que o uso adequado de agrominerais silicáticos simula processos naturais de renovação do solo e podem fornecer potássio, cálcio, magnésio, silício e outros micronutrientes, além da produção de argilominerais e acúmulo de matéria orgânica.

“Temos dois fornecedores de mineralizador próximos à região, em Dianópolis (TO) e Formosa do Rio Preto (BA), que podem atender a demanda local. Mas antes vamos testar se as rochas têm potencial de uso agrícola nos solos da região. E, para isto, faremos os testes em casas de vegetação e no campo experimental da Fundação Bahia, em Luís Eduardo Magalhães, para comprovar a eficiência e potencialidade do pó de rocha para liberar nutrientes”, afirmou Martins.

Segundo pesquisa da Embrapa, 95% do potássio usado na agricultura vem de fora do Brasil, sendo que boa parte dos remineralizadores são ricos nesse mineral, além de conter cálcio e magnésio. Além de nutrirem as plantas, os remineralizadores podem, dependendo da fonte, contribuir para a correção do alumínio tóxico no solo e melhorar a capacidade de troca de cátions (CTC) do solo, propriedade importante para a retenção de nutrientes.

Desde março de 2016, os remineralizadores podem ser registrados no Ministério da Agricultura (Mapa) para uso específico na agricultura. As instruções normativa Nº 5 e 6, publicada em 10 de março de 2016, estabelecem as especificações para o uso destes insumos na atividade agrícola.

POR REDAÇÃO GLOBO RURAL

-- conteúdo relacionado --
Preço do leite apresenta novo recuo. Cenário não d... Os produtores de leite estão atravessando um período pouco animador nos últimos meses, situação que não deve mudar muito no curto prazo. De acordo co...
Semente de soja é opção para o combate à AIDS Desenvolvida pela Embrapa, Instituto Nacional de Saúde dos EUA, Universidade de Londres e Conselho de Pesquisa da África do Sul pesquisa premiada pelo...

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com