Bioinseticida natural vai controlar a cigarrinha-do-milho ūüĆĹ

PARTILHAR
milho-cultivado-com-brachiaria
Foto: Valmir Sani Junior

Trabalho coloca o fungo Metarhizium robertsii como nova ferramenta biológica e sustentável no manejo integrado dessa importante praga no milho

Pesquisa inédita desenvolveu um bioinseticida natural que controla a cigarrinha-do-milho (Dalbulus maidis). A tecnologia utiliza um método de fermentação líquida do fungo Metarhizium robertsii que resulta em leveduras chamadas blastosporos. Essas células podem ser diluídas e veiculadas com água, são tolerantes à dessecação e controlam adultos da cigarrinha após pulverização, pois rapidamente germinam e infectam o inseto pela cutícula, matando-o em poucos dias. Como é específico para a praga-alvo, preserva a fauna e a flora locais. O trabalho foi desenvolvido por cientistas da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo (Esalq-USP), Embrapa Meio Ambiente (SP) e Universidade de Copenhague (KU), na Dinamarca.

O avan√ßo abre caminho para o desenvolvimento de um bioproduto comercial que possa ser usado na lavoura. Diferentemente dos inseticidas qu√≠micos atualmente empregados para o controle dessa praga, o bioinseticida n√£o traria impactos ambientais e para a sa√ļde humana.

Além disso, pode ser aplicado via aérea ou terrestre, como é feito na forma convencional com os inseticidas químicos, o que facilita para o produtor usar equipamentos de aplicação já existentes em sua propriedade.

A metodologia de produ√ß√£o de fungos biocontroladores de pragas √© barata, eficiente e produz grande quantidade de blastosporos em apenas dois dias de cultivo. E a utiliza√ß√£o de fermenta√ß√£o l√≠quida traz uma s√©rie de vantagens, conforme explica o analista da Embrapa Gabriel Mascarin. ‚ÄúPodemos ainda manipular as condi√ß√Ķes nutricionais do meio de cultivo do fungo para obter blastosporos mais tolerantes a estresses abi√≥ticos, como desseca√ß√£o, radia√ß√£o ultravioleta e altas temperaturas‚ÄĚ, informa ele, ressaltando que uma das formula√ß√Ķes desenvolvidas na pesquisa √© um p√≥ molh√°vel, o que permite a aplica√ß√£o do produto por pulverizadores convencionais.

‚ÄúOs requisitos nutricionais s√£o exig√™ncias que o fungo demanda para produzir um determinado tipo de c√©lula ou biomassa. Nesse caso, nosso interesse principal foi a produ√ß√£o de blastosporos, que s√£o morfologicamente similares √†s c√©lulas de levedura‚ÄĚ, conta a pesquisadora Natasha Iwanicki, autora da tese que resultou no bioinseticida, sob orienta√ß√£o do professor Italo Delalibera J√ļnior. Iwanicki atua na unidade de Biocontroladores de pragas agr√≠colas da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inova√ß√£o Industrial (Embrapii) na (Esalq-USP).

Mascarin explica que a pesquisa buscou um processo de baixo custo, eficiente e que proporcionasse o m√°ximo rendimento, usando a fermenta√ß√£o l√≠quida para produ√ß√£o de fungos biocontroladores de pragas. Para isso, os cientistas tiveram que selecionar as melhores condi√ß√Ķes nutricionais e ambientais para produ√ß√£o otimizada e de alta qualidade de prop√°gulos (c√©lulas) desses fungos.

O método já foi aprovado em testes em laboratório e agora aguarda pesquisas em escalapiloto para a validação em escala industrial. A Embrapa e a unidade Embrapii Esalq procuram parceiros para fazer essa etapa de finalização da pesquisa.

Via Embrapa

Todo o conte√ļdo √°udio visual do CompreRural est√° protegido pela legisla√ß√£o brasileira sobre direito autoral, sua reprodu√ß√£o √© permitida desde que citado a fonte e com aviso pr√©vio atrav√©s do e-mail jornalismo@comprerural.com