Brasil tem 5 milhões de bois confinados

Brasil tem 5 milhões de bois confinados

PARTILHAR
confinamento-monte-alegre-barretos
Foto: Confinamento Monte Alegre, Barretos - SP

Segundo levantamento realizado pela DSM, o Brasil, já bateu a marca de 5 milhões de animais confinados em 2018.

Para acelerar os ganhos de produtividade, permitindo a ampliação da produção de carne bovina ao mesmo tempo em que cedem áreas de pastagens para a agricultura, os pecuaristas intensificaram o uso de grãos alimentação do gado em ritmo mais acelerado que o previsto.

Levantamento recém-concluído pela multinacional holandesa DSM, empresa que detém 30% do mercado brasileiro de sal mineral para bovinos, mostrou que o número de bois engordados nos confinamentos do país alcançou em torno de 5 milhões neste ano.

A partir de entrevistas com 3 mil pecuaristas que têm confinamentos, a DSM estimou que 4,987 milhões de animais foram “terminados” nos confinamentos. Ou seja, esses animais passaram a última fase do processo de engorda — do boi magro até o animal pronto para o abate — no sistema intensivo. Na comparação com o ano passado, quando 4,850 milhões de bovinos foram confinados, o crescimento foi de 3%, segundo a DSM.

O levantamento, uma espécie de “censo” da pecuária intensiva no país, animou Marcos Baruselli, gerente de confinamento da DSM. Em entrevista concedida ao Valor em julho, o executivo estava mais conservador, estimando que os confinamentos do país atingiram a marca dos 5 milhões em 2020.

“Surpreendeu bastante. O que está acontecendo é uma intensificação muito forte da pecuária. O produtor rural está vendo que, se ele não produzir mais arrobas por animal, perde competitividade, e a pecuária passa a não ser tão atrativa”, afirmou Baruselli. Para aumentar a velocidade da criação de bovinos, a dieta com grãos do confinamento é a grande opção.

Mas o confinamento tradicional não é a única forma de alimentar o gado com grãos. Nos últimos anos, os pecuaristas passaram a utilizar um modelo conhecido como “confinamento a pasto”. Nesse modelo, os bois recebem uma dieta de grãos (milho e farelo de soja) muito próxima à da estrutura dos confinamentos, onde os animais ficam lotados em um espaço reduzido, mas em cochos distribuídos na área de pastagem. Esse modelo, que é mais barato por não envolver investimentos na construção da estrutura do confinamento, vem avançando em Mato Grosso, maior Estado produtor de grãos do país.

De acordo com as estimativas da DSM, outros 5 milhões de bovinos são alimentados, em maior ou menor medida, com grãos em modelos semelhantes ao “confinamento a pasto”. Juntos à atividade intensiva tradicional, são cerca de 10 milhões de animais abatidos por ano no Brasil são criados de forma intensiva. Não é um número irrelevante, especialmente porque a criação de gado em fazendas extensas e pouco produtivas sempre foi uma característica da pecuária no país.

Nos últimos anos, os pecuaristas passaram a utilizar um modelo conhecido como “confinamento a pasto”

Considerando as 10 milhões de cabeças, cerca de um terço do gado abatido no Brasil consome grãos, segundo Baruselli. Em 2017, os frigoríficos com algum tipo de inspeção (federal, estadual ou municipal) abateram 30,8 milhões de animais, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Leia também:

O movimento de intensificação da pecuária deve continuar ao longo dos próximos anos, projeta o executivo da DSM. Segundo ele, é possível que em 2025 cerca de 10 milhões de bovinos sejam engordadas apenas no confinamento tradicional. Se as outras estratégias intensivas (como o confinamento a pasto) foram consideradas na conta, é “provável” que metade do gado abatido no Brasil seja alimentado com grãos, afirmou Baruselli.

Para os pecuaristas brasileiros, o movimento representa um ganho de produtividade, mas também impõe desafios. A produção de gado estará mais vinculada ao preço dos grãos. Em períodos de quebra de safra, o setor poderá sofrer mais.

Comprovado! VFL Brasil é líder em qualidade

Fonte: Valor Econômico

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com