China detecta coronavírus em carne do Brasil, e agora?

China detecta coronavírus em carne do Brasil, e agora?

PARTILHAR
Foto: Divulgação

China diz ter detectado coronavírus em frango do Brasil; setor analisa possíveis traços em embalagens, afirma ABPA. Veja o que se sabe até o momento.

Para ministro-conselheiro da Embaixada da China no Brasil, não haverá grande impacto no comércio entre os dois países; Ministério da Agricultura informou que está em contato com autoridades chinesas e que fará a análise final da situação.

Autoridades chinesas anunciaram nesta quinta-feira, 13, que detectaram o coronavírus responsável pela Covid-19 em um controle de rotina de frango importado do Brasil, o maior produtor mundial da proteína. A informação, que partiu do governo da cidade Shenzhen e foi divulgada pela agência de noticias Reuters, é de que o vírus estava presente em amostras de asas de frango congeladas coletadas na última terça-feira, 11.

Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) informou em nota oficial que o setor produtivo está analisando as informações de possível detecção de traços de vírus em embalagem de produto de origem brasileira.

“Ainda não está claro em que momento houve a eventual contaminação da embalagem, e se ocorreu durante o processo de transporte de exportação. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil está em contato para esclarecimentos com o GACC (autoridade sanitária oficial da China), que fará a análise final da situação”, diz a nota.

A ABPA reiterou ainda que não há evidências científicas de que a carne seja transmissora do vírus, conforme ressalta a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

“Ao mesmo tempo, o setor exportador brasileiro reafirma que todas as medidas para proteção dos trabalhadores e a garantia da inocuidade dos produtos foram adotadas e aprimoradas ao longo dos últimos meses, desde o início da pandemia global”, disse a entidade.

Para o ministro-conselheiro da Embaixada da China no Brasil, Qu Yuhui, é preciso ter cautela neste momento. “Não precisamos exagerar esse assunto, e o lado chinês ainda vai tentar descobrir onde houve problema, se foi no transporte ou em outros segmentos. Não vai ter impacto grande no nosso comércio“, afirmou.  

Com informações do Canal Rural

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com