China detecta vírus da gripe aviária e manda sacrificar 17.828 aves

China detecta vírus da gripe aviária e manda sacrificar 17.828 aves

PARTILHAR
capa-mercado-de-aves
Foto: Ernesto de Souza/Ed. Globo

São Paulo – Autoridades chinesas confirmaram, neste sábado, ter detectado o vírus da gripe aviária na província de Hunan, na China Central.

O H5N1 é uma variação do Influenza, mais comum em aves e pode ser transmitido dos animais para humanos. O governo não informou se há caso de contágio humano na região.

O Ministério da Agricultura da China separou 17.828 frangos que serão sacrificados após confirmação do vírus.

Governo chinês congela tarifas a produtos dos EUA para combate ao coronavírus

Pequim – O governo da China informou, neste sábado, em uma declaração conjunta do Ministério da Fazenda e da alfândega, que vai isentar importações de produtos dos Estados Unidos que ajudem a controlar o surto do coronavírus de Wuhan. De acordo com informações preliminares, a medida passa a valer hoje e se estende até 31 de março.

Também neste sábado, o Banco do Povo da China (PBoC, o BC chinês) informou que está intensificando o apoio a empresas fornecedoras de suprimentos médicos por meio de empréstimos mais baratos e outras medidas.

Além do fim das chamadas “tarifas punitivas” a produtos farmacêuticos e hospitalares americanos, o governo chinês informou que vai reembolsar impostos e taxas de produtos e mercadorias doadas por organizações estrangeiras que estejam relacionadas ao combate ao coronavírus e tratamento de doentes O período das duas medidas é o mesmo.

Os suprimentos médicos, incluindo máscaras e equipamentos de proteção, estão acabando na maioria dos hospitais de Wuhan, o epicentro do surto.

O primeiro-ministro da China, Li Keqiang, pediu que os empresários do país garantam suprimentos estáveis, em uma videoconferência com executivos de alguns fabricantes de equipamentos médicos.

OMS demonstra preocupação com surtos “domésticos” de coronavírus

Pequim – Uma autoridade da Organização Mundial da Saúde em Pequim afirmou, neste sábado, que governos de países em que há casos confirmados de coronavírus precisam se preparar para o “controle de surtos domésticos” se a doença se espalhar em seus países. Gauden Galea disse que a maioria dos casos, no momento, ainda é de pessoas que visitaram a China.

Com a Espanha, que confirmou ontem registro do novo vírus no país, a lista de nações afetadas pelo coronavírus de Wuhan subiu para 23, além da China. O número de mortos está em 259, e ao menos 11.791 casos já foram confirmados.

A decisão dos Estados Unidos de impedir a entrada de estrangeiros vindos da China foi seguida hoje pela Austrália, após Japão e Cingapura anunciarem também medida semelhante.

Enquanto isso, a Coreia do Sul, Índia e Indonésia enviaram de volta à China centenas de cidadãos de Wuhan, a cidade no epicentro da epidemia, onde cerca de 50 milhões de pessoas são impedidas de viajar, num esforço antivírus. Os estrangeiros evacuados estavam em quarentena por duas semanas.

O contágio pelo coronavírus já superou o número do surto de SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave) em 2002-2003, levando a OMS a declarar “emergência global”.

De acordo com o representante da OMS em Pequim, Gauden Galea, a organização demonstrou preocupação com os países mais pobres que podem não estar preparados para responder rapidamente ao surto. Ele também informou que o fato de alguns casos de contágio do vírus envolverem transmissão interna de humano para humano (pessoas que não visitaram a China) merece atenção especial.

“Os países precisam se preparar para uma possível ‘importação’ do vírus, a fim de identificar os casos o mais cedo possível e, se isso acontecer, fazer um controle doméstico de surtos”, disse Galea.

Fonte: Estadão Conteúdo

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com