China deve manter preço dos grãos elevados em 2021, veja!

China deve manter preço dos grãos elevados em 2021, veja!

PARTILHAR
bico da colheitadeira despejando soja no caminhao
Foto: Fazendas Milanesi Buriti

A demanda chinesa deve manter o suporte aos preços elevados dos grãos no mercado em 2021, foi o que apontou a ING; Confira abaixo as informações!

A demanda da China por grãos deve continuar dando suporte aos mercados no próximo ano. De acordo com a análise do banco holandês ING, três fatores estão por trás disso: necessidade de segurança alimentar em meio à pandemia, recuperação do plantel de suínos chinês e o acordo comercial preliminar assinado entre o governo comunista e os Estados Unidos, em janeiro deste ano.

“Um maior apoio às compras agrícolas vem do fato de que o rebanho suíno na China está começando a se recuperar, após o surto de peste suína africana em 2018 e 2019”, comenta o banco holandês. “O governo priorizou o aumento da produção de suínos no país, após o surto, ea demanda por ração animal tem crescido, dando suporte às cotações de milho e soja.”

Além disso, o acordo comercial EUA-China continua sustentando fortes compras chinesas de alimentos, embora os dados do comércio indiquem que a meta ainda será difícil de ser atingida este ano. O ING cita dados do Peterson Instituto de Economia Internacional que mostra que, até outubro, a China atingiu apenas pouco mais de 52% do seu meta anual de US $ 36,6 bilhões em importações dos EUA.

A primeira fase do acordo comercial é de dois anos, e o valor das exportações no segundo ano está previsto em US $ 43,6 bilhões, portanto, as compras chinesas podem muito bem continuar a apoiar vários mercados agrícolas, avalia o ING. Mas “se as importações ficarem aquém da meta neste ano, existe uma possibilidade de que isso seja preciso ser compensado no próximo ano”.

“Se olharmos para as exportações dos EUA para a China, os compromissos totais até agora no atual ano de comercialização (começando em setembro) totalizando um pouco mais de 11 milhões de toneladas, acima do registrado no mesmo estágio do ano passado, ea maior venda de milho que vimos para a China nesta época do ano, remontando à temporada 2012/13 “, destaca. “Embora algumas dessas vendas possam ser canceladas nos próximos meses, quase 2,9 milhões de toneladas de milho já foram exportadas para a China desde setembro, e isso já excede a quantidade total exportada na campanha de 2013/14”, afirma.

Segundo o ING, essas vendas já ultrapassaram uma cota anual total de importação da China, de cerca de 7 milhões de toneladas. “Portanto, precisaremos ver o governo emitir novas cotas de permissão. Já houve relatos de que o governo aumentou essa cota em 5 milhões de toneladas”.

Também há um ponto importante em relação à China, que quer garantir a segurança alimentar em meio à pandemia, dadas como interrupções possíveis nas cadeias de abastecimento globais, diz o banco holandês. Outro fator levantado pela instituição faz referencia-se à metas ambientais de redução de carbono da China, que provavelmente serão implementadas em um estágio posterior, “o que deve apoiar a demanda de milho, por exemplo”.

Fonte: Globo Rural

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.