China registra maior produção de carne suína

PARTILHAR
abate-de-suinos-no-frigorifico
Foto: Divulgação

Conforme o rebanho se recupera, China registra maior produção de carne suína no terceiro trimestre em três anos.

A produção de carne suína da China no terceiro trimestre atingiu seu maior nível em três anos, dados oficiais mostraram na segunda-feira (18), depois que produtores construíram milhares de grandes granjas de criação no ano passado para reconstruir um rebanho de suínos dizimado pela peste suína africana.

A produção de carne suína em julho-setembro foi de 12,02 milhões de toneladas, um aumento de 43% em comparação com o ano anterior, segundo cálculos da Reuters com base em dados oficiais, e a maior desde o terceiro trimestre de 2018, antes que a China começasse a sentir as consequências da peste suína epidemia.

A produção de carne suína da China saltou 38% nos primeiros três trimestres de 2021 em relação ao ano anterior, para 39,17 milhões de toneladas, disse o departamento de estatísticas.

O terceiro trimestre foi, no entanto, inferior às 13,46 milhões de toneladas do segundo trimestre, desafiando as expectativas de alguns analistas.

“Achei que seria maior do que o segundo trimestre porq houve muitas liquidações no terceiro trimestre”, disse Pan Chenjun, analista sênior do Rabobank.

O aumento na produção de carne suína foi liderado pelos maiores produtores, que investiram bilhões de yuans em novas fazendas durante 2020 em uma tentativa de conquistar participação de mercado após a epidemia de peste suína.

Mas os preços despencaram 65% até agora este ano, levando alguns agricultores a vender seus rebanhos e sair, enquanto outros aproveitaram a oportunidade para se livrar de porcas menos produtivas.

O rebanho de porcas da China diminuiu 0,5% em julho em relação a junho, e mais 0,9% em agosto em relação ao mês anterior, de acordo com dados publicados anteriormente pelo Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais.

“No segundo trimestre muitos pequenos produtores ainda tinham esperança (que os preços se recuperariam). Mas no terceiro trimestre as perdas haviam durado o suficiente para eles pararem, eles não tinham fluxo de caixa ”, acrescentou Pan.

Alguns estavam perdendo até 1.000 yuans (US $ 155,32) por cabeça no mês passado, acrescentou ela, quando os preços do suíno vivo caíram para menos de 11 yuans por quilo. Os preços estão atualmente em 13,08 yuans.

Os preços também estão sob pressão de grandes importações este ano, embora tenham desacelerado consideravelmente no mês passado, com chegadas em setembro de 210.000 toneladas, queda de 44,8% em relação ao ano anterior, e a menor em 23 meses, de acordo com dados alfandegários.

A China trouxe 3,14 milhões de toneladas de carne suína nos primeiros nove meses do ano, queda de 4,3% em relação ao mesmo período do ano anterior, mostraram dados alfandegários também divulgados na segunda-feira.

O departamento de estatísticas disse que o rebanho de suínos da China diminuiu para 437,64 milhões de cabeças no final de setembro, ante 439,11 milhões no final de junho.

A China abateu 491,93 milhões de suínos nos primeiros nove meses do ano, um aumento de 35,9% em relação ao ano anterior, acrescentou.

(US $ 1 = 6,4383 yuans chineses)

Fonte: Reuters

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com