Cientista desenvolve abacate sustentável

PARTILHAR
Crédito: Arina Shokouhi

Com o intuito de reduzir o impacto ambiental a alternativa usa ingredientes naturais para “imitar a fruta”; aproximadamente 2.000 litros de água são usados

Muitas vezes referido como “ouro verde”, o abacate disparou em popularidade nos últimos anos. 11 bilhões de quilos da fruta são consumidos anualmente em todo o mundo, de acordo com o Fórum Econômico Mundial.

No entanto, nosso amor pelos abacates tem um custo significativo para o meio ambiente: aproximadamente 2.000 litros de água são usados ​​para cultivar apenas um quilo de abacate, enquanto as florestas são derrubadas para dar espaço aos abacateiros.

É por isso que a pesquisadora e designer londrina Arina Shokouhi decidiu desenvolver uma alternativa ecológica ao abacate. Chamado de “abacate ECO”, ela espera que inspire os consumidores a pensar duas vezes antes de fatiar a fruta para torradas no café da manhã ou preparar o próximo lote de guacamole.

“Pode ser realmente uma solução positiva e devemos apenas adotá-la porque sabemos que não podemos continuar vivendo assim”, diz Shokouhi.

Um projeto “verde”

À primeira vista, o a versão ecologicamento correta do abacate é indistinguível do real. Feita com cera de abelha e corante alimentar natural contendo espinafre e pó de carvão, a pele da fruta imita a casca do abacate.

Já o conteúdo do abacate alternativo é feito com quatro ingredientes simples: favas como base, maçã para frescor, óleo de canola prensado a frio para cremosidade e uma pitada de avelã. Uma castanha inteira ou avelã é usada para o caroço.

O abacate foi desenvolvido como parte do mestrado Material Futures de Shokouhi na escola de arte Central Saint Martins. Tendo apresentado o conceito no final de seu primeiro ano, ela forjou uma colaboração com o cientista de alimentos da Universidade de Nottingham, Jack Wallman, que estudou as propriedades moleculares dos abacates para entender o que lhes dá sua textura cremosa. Demorou oito meses para aperfeiçoar a receita, diz Shokouhi.

Criar um substituto de abacate sustentável e atraente foi um desafio

“A escolha de ingredientes foi muito limitada para começar porque eu quero que seja 100% local. Essa foi minha primeira prioridade”, diz Shokouhi, acrescentando que ela chama isso de versão “britânica”.

Shokohui queria que o abacate oferecesse os benefícios ambientais e de saúde que vêm da ingestão de alimentos de origem local.

Ervilhas e brócolis foram os primeiros candidatos à receita, diz Shokouhi, mas tiveram baixa produção local. Compondo a base da fruta alternativa, as favas, são relativamente fáceis de cultivar, com cerca de 740 mil toneladas métricas colhidas no Reino Unido a cada ano.

No entanto, as favas são molecularmente diferentes dos abacates e mascarar seu “cheiro amargo” foi difícil, diz ela. Por fim, Wallman e sua equipe encontraram maneiras de equilibrar os ingredientes e criar uma alternativa convincente de abacate.

Embora manter os ingredientes locais e destacar as dietas à base de plantas seja fundamental para reduzir as emissões de carbono, a produção sustentável de alimentos também se cruza com questões complexas, como uso da terra, abastecimento ético e direitos trabalhistas, diz Wayne Martindale, professor associado de insights alimentares e sustentabilidade na Universidade de Lincoln, no Reino Unido.

Os desenvolvimentos na coleta de dados e na tecnologia blockchain na última década tornaram as muitas facetas da produção de alimentos mais fáceis de rastrear e registrar, diz ele.

Martindale aponta para o Responsible Commodities Facility, que foi adotado em 2021 como um compromisso com o cultivo de soja com desmatamento zero no Brasil. A certificação beneficia os agricultores financeiramente, ao mesmo tempo em que oferece garantia aos clientes.

Martindale acredita que o mesmo poderia ser feito para os abacates porque “as pessoas querem saber que esses abacates foram cultivados em terras que são administradas com responsabilidade”.

Sua equipe está investigando o uso de subprodutos de abacate, incluindo talheres recicláveis ​​feitos de caroços de abacate e óleos da casca e polpa para uso em lubrificantes e alimentos.

Em vez de barrar totalmente frutas e vegetais importados, Martindale acredita que a moderação é um passo na direção certa. O abacate sustentável da Shokouhi mostra “criatividade incrível”, diz ele, mas questiona se o produto pode ser dimensionado para se tornar uma alternativa viável às importações da fruta.

Desde que se formou, o produto da Shokouhi atraiu o interesse de potenciais investidores, diz ela. Enquanto ainda está aperfeiçoando a fruta, ela espera que ele seja vendido nos supermercados por um preço semelhante ao dos abacates reais.

Shokouhi também experimentou grãos de edamame japoneses e está intrigado com a ideia de produzir o abacate alternativo em outros países usando diferentes ingredientes locais no futuro.

Ela espera que os céticos dêem uma chance à novidade.

“O sabor talvez não seja 100% exatamente como o do abacate”, diz Shokouhi, “mas isso não importa como alternativa, desde que você possa tê-lo em seu fermento, e tenha um gosto bom, tenha a mesma aparência e seja saudável.

Fonte: CNN Brasil

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com