CNA, entidades e embaixador da China debatem sobre comércio internacional

CNA, entidades e embaixador da China debatem sobre comércio internacional

PARTILHAR
Foto: Divulgação

CNA e entidades do agro debatem comércio internacional com embaixador da China; Videoconferência reuniu representantes de associações e do MAPA.

O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, e representantes de entidades do setor agropecuário foram convidados pelo embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, para debater, em uma videoconferência na quinta (20), o comércio entre os dois países. 

Além de avaliar o impacto da pandemia para o comércio de produtos agropecuários entre Brasil e China e o futuro da cooperação bilateral no setor, a reunião serviu para que os participantes pudessem discutir formas de fortalecer a cooperação entre os países. 

O presidente da CNA destacou a importância que o mercado chinês tem para o agro brasileiro e o potencial para ampliação das exportações. Segundo João Martins, a entidade vem fortalecendo a sua área internacional e promovendo ações para que o Brasil possa diversificar a sua pauta de exportações com produtos lácteos, peixes, frutas e mel, entre outros. Uma dessas iniciativas foi a abertura de um escritório da Confederação em Xangai.

“Precisamos inserir mais produtores nessa boa relação com a China”, afirmou João Martins.

Uma análise feita pela CNA com base nos dados divulgados pelo Ministério da Economia mostra que a China foi, de janeiro a julho, o principal importador de produtos agropecuários do Brasil, sendo destino de 39,2% dos embarques. A receita gerada com as exportações para o país asiático foi de US$ 24 bilhões no período.

O embaixador da China lembrou a complementariedade que existe na relação entre os países e considerou a parceria no setor agropecuário sólida, dinâmica e com potencial para crescer. Mesmo com a pandemia, as exportações de produtos agropecuários para a China tiveram alta de mais de 30% no primeiro semestre de 2020. 

Yang Wanming disse que a China vem aumentando os cuidados com a segurança alimentar, mas que confia no serviço de inspeção sanitária e na transparência das autoridades brasileiras. Para ele, a demanda chinesa por alimentos deverá aumentar de forma estável no longo prazo, o que fortalecerá, ainda mais, a parceria comercial com o Brasil.

“Somos duas potências no setor agrícola e podemos aprender um com o outro. A China está disposta a fazer com que essa cooperação possa crescer ainda mais e subir a um novo patamar”, declarou. 

O encontro também contou com a participação do diretor-geral do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Daniel Carrara; do diretor de Relações Internacionais da CNA, Gedeão Pereira; e da superintendente de Relações Internacionais da CNA, Lígia Dutra.

O presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), Antônio Jorge Camardelli; o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin; e o diretor-geral da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), Sérgio Castanho Teixeira Mendes, também participaram do encontro. O Ministério da Agricultura foi representado pela assessora especial para Temas de China, Larissa Wachholz.

Fonte: CNA

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com