Codesp libera exportação de bois no Porto de Santos

Codesp libera exportação de bois no Porto de Santos

PARTILHAR
Terminal Ecoporto realizou o embarque de 27 mil cabeças de cago no final de novembro passado (Foto: Carlos Nogueira)

Decisão foi tomada pela direção da Docas na manhã de ontem, após dirigentes da Antaq se posicionarem favoravelmente à operação

O Terminal Ecoporto Santos, que fica no Cais do Saboó, no Porto de Santos, está autorizado a iniciar o embarque de aproximadamente 27 mil bois com destino à Turquia. Isto aconteceu após a diretoria da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) divulgar posicionamento favorável à operação. Com isso, a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) liberou os trabalhos, que estavam suspensos desde o último dia 10.

Assim como aconteceu em novembro do ano passado, os garrotes, touros jovens com menos de 250 quilos, terão como destino o Porto de Iskenderum, na Turquia. A carga é de propriedade da Minerva Foods, um dos grandes grupos pecuaristas do Brasil.

A operação estava suspensa após um parecer da área jurídica da Antaq, que apresentava ressalvas em relação ao embarque dos bovinos. Ao recebê-lo, a diretoria da Autoridade Portuária decidiu suspender temporariamente a operação até que a questão fosse definida pela agência reguladora.

Apesar das ressalvas apresentadas pelo jurídico da Antaq, a área técnica do órgão se posicionou favorável ao embarque de carga viva. A atividade foi vista pelo órgão regulador como uma oportunidade de negócio viável para o Porto, principalmente diante das dificuldades enfrentadas pelo Ecoporto, por conta da concorrência com outras instalações de contêineres do complexo.

O contrato de arrendamento do Ecoporto, firmado em junho de 1998, prevê a movimentação e a armazenagem de contêineres. No entanto, o primeiro embarque, que era uma espécie de teste, foi autorizado pela Autoridade Portuária. Isto aconteceu por conta de uma resolução da Codesp de 2001, que libera a movimentação de carga geral por terminais especializados na operação de caixas metálicas. Por conta disso, para a Antaq, a operação pode ser realizada.

Uma das preocupações da agência estava relacionada com o Plano de Desenvolvimento e Zoneamento (PDZ) do Porto de Santos. Mas, segundo o diretor do órgão, Mario Povia, o regramento não veta a operação com carga viva.

Em nota, a Docas informou, após a manifestação da Antaq, que a agência “entendeu não haver impedimento ou necessidade de autorização especial para a movimentação de carga viva no âmbito do arrendamento de titularidade do terminal Ecoporto Santos”.

Com isso, a Autoridade Portuária liberou os embarques no navio Nada (que significa orvalho em árabe). A embarcação atracou na noite da última terça-feira no cais santista e, desde então, aguardava um posicionamento das autoridades.

Assim que as operações foram autorizadas, o Ecoporto Santos começou suas preparações. O carregamento ocorre com o auxílio de um corredor de metal que será acoplado nos caminhões e conduz os animais a bordo. Um piso especial tem de ser instalado no cais e equipes de limpeza são contratadas para manter a higiene no local durante toda a operação. O navio Nada também recebe forragens (alimentos) para o gado.

Os trabalhos são acompanhados por equipes do posto local do Serviço de Vigilância Agropecuária (Vigiagro) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), da Docas e da Antaq.

Fonte: A Tribuna, adaptada pela Equipe BeefPoint.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com