Codesp libera exportação de bois no Porto de Santos

Codesp libera exportação de bois no Porto de Santos

PARTILHAR
Terminal Ecoporto realizou o embarque de 27 mil cabeças de cago no final de novembro passado (Foto: Carlos Nogueira)

Decisão foi tomada pela direção da Docas na manhã de ontem, após dirigentes da Antaq se posicionarem favoravelmente à operação

O Terminal Ecoporto Santos, que fica no Cais do Saboó, no Porto de Santos, está autorizado a iniciar o embarque de aproximadamente 27 mil bois com destino à Turquia. Isto aconteceu após a diretoria da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) divulgar posicionamento favorável à operação. Com isso, a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) liberou os trabalhos, que estavam suspensos desde o último dia 10.

Assim como aconteceu em novembro do ano passado, os garrotes, touros jovens com menos de 250 quilos, terão como destino o Porto de Iskenderum, na Turquia. A carga é de propriedade da Minerva Foods, um dos grandes grupos pecuaristas do Brasil.

A operação estava suspensa após um parecer da área jurídica da Antaq, que apresentava ressalvas em relação ao embarque dos bovinos. Ao recebê-lo, a diretoria da Autoridade Portuária decidiu suspender temporariamente a operação até que a questão fosse definida pela agência reguladora.

Apesar das ressalvas apresentadas pelo jurídico da Antaq, a área técnica do órgão se posicionou favorável ao embarque de carga viva. A atividade foi vista pelo órgão regulador como uma oportunidade de negócio viável para o Porto, principalmente diante das dificuldades enfrentadas pelo Ecoporto, por conta da concorrência com outras instalações de contêineres do complexo.

O contrato de arrendamento do Ecoporto, firmado em junho de 1998, prevê a movimentação e a armazenagem de contêineres. No entanto, o primeiro embarque, que era uma espécie de teste, foi autorizado pela Autoridade Portuária. Isto aconteceu por conta de uma resolução da Codesp de 2001, que libera a movimentação de carga geral por terminais especializados na operação de caixas metálicas. Por conta disso, para a Antaq, a operação pode ser realizada.

Uma das preocupações da agência estava relacionada com o Plano de Desenvolvimento e Zoneamento (PDZ) do Porto de Santos. Mas, segundo o diretor do órgão, Mario Povia, o regramento não veta a operação com carga viva.

Em nota, a Docas informou, após a manifestação da Antaq, que a agência “entendeu não haver impedimento ou necessidade de autorização especial para a movimentação de carga viva no âmbito do arrendamento de titularidade do terminal Ecoporto Santos”.

Com isso, a Autoridade Portuária liberou os embarques no navio Nada (que significa orvalho em árabe). A embarcação atracou na noite da última terça-feira no cais santista e, desde então, aguardava um posicionamento das autoridades.

Assim que as operações foram autorizadas, o Ecoporto Santos começou suas preparações. O carregamento ocorre com o auxílio de um corredor de metal que será acoplado nos caminhões e conduz os animais a bordo. Um piso especial tem de ser instalado no cais e equipes de limpeza são contratadas para manter a higiene no local durante toda a operação. O navio Nada também recebe forragens (alimentos) para o gado.

Os trabalhos são acompanhados por equipes do posto local do Serviço de Vigilância Agropecuária (Vigiagro) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), da Docas e da Antaq.

Fonte: A Tribuna, adaptada pela Equipe BeefPoint.

-- conteúdo relacionado --
Venda de máquinas agrícolas cai 1,2% em março ante... Informações são da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores As vendas internas de máquinas agrícolas e rodoviárias no atacado atin...
Preço do leite apresenta novo recuo. Cenário não d... Os produtores de leite estão atravessando um período pouco animador nos últimos meses, situação que não deve mudar muito no curto prazo. De acordo co...

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com