Confinamento no semiárido planeja confinar 100 mil cabeças

Confinamento no semiárido planeja confinar 100 mil cabeças

Captar-Agrobusiness-Confinamento-
Foto: Asbia

Confinamento no semiárido baiano, terminou 39 mil animais em 2016 e planeja chegar a 100 mil cabeças até 2019.

Captar Agrobusiness Confinamento tem planta moderna e excelentes resultados zootécnicos e financeiros

Em plena região do semiárido da Bahia, um projeto de confinamento se destaca por números grandiosos e planos ainda maiores para o futuro. Trata-se da Captar Agrobusiness Confinamento, localizada no município de Luís Eduardo Magalhães (BA), assessorada pela Premix, empresa nacional líder em nutrição animal.

A propriedade, de Almir Francisco Moraes Filho, está consolidando uma operação verticalizada de integração bovina, envolvendo as regiões do semiárido e do oeste baiano, através de suas unidades de confinamento, fábrica de ração e fábrica de adubo, garantindo o máximo de segurança e qualidade em cada etapa desse processo.

confinamento-no-semi-arido
Foto: Captar Agrobusiness

A parceria entre a Premix e a Captar existe desde 2013 e o confinamento é atendido pela coordenadora de Confinamento, Amanda Oliveira. Os números são excelentes, principalmente levando-se em conta o clima da região: foram 39 mil animais terminados no confinamento em 2016, com rendimento de carcaça de 55% para machos e 52% para fêmeas. Outro índice interessante foi o de peso médio de abate, que ficou em 19,5 arrobas para machos e 14,5 arrobas para fêmeas.

Almir explica que, em 2016, o confinamento tinha capacidade para abater 60 mil animais, mas a alta do preço do milho tornou inviável este resultado. “Para este ano, o boi magro e a ração estão mais baratos. No entanto, por conta das recentes notícias no mercado de carne, deveremos manter o mesmo número de animais confinados de 2016, projetando um grande crescimento para 2018”, ressalta.

confinamento-no-semi-arido-1
Foto: Captar Agrobusiness

A atual planta tem capacidade estática para 30 mil animais, mas será ampliada em 30% este ano, o que a tornará uma das maiores do Brasil. “Com a estrutura aumentada em funcionamento teremos capacidade para abrigar 40 mil animais. Se conseguirmos dar dois giros, teremos 80 mil animais confinados em 2018”, explica.

A assessoria da propriedade é exclusiva da Premix, que formula 100% da dieta e o núcleo utilizado no confinamento, fornecendo também estudos de viabilidade econômica da operação, auxiliando na precificação das diárias e arrobas produzidas para fechamento com o parceiro, além das diretrizes de manejo de trato.

Em função dos altos custos para aquisição do boi magro em 2016, o proprietário investiu em fechar animais mais jovens e leves no confinamento, visando aumentar o número de arrobas colocadas no período. Dessa forma, o volume de animais recriados no confinamento ultrapassou 30% do rebanho total abatido, entre fêmeas e machos.

Para evitar que esses animais comecem a depositar gordura precocemente, atingindo o ponto de abate muito leve, trabalhamos grande parte do tempo com dietas menos adensadas, o que impacta diretamente nos índices de zootécnicos, explica a coordenadora da Premix.

A Captar trabalha com todas as formas de aquisição de animais: boitel, compra, arroba produzida e parceria. Atualmente, a empresa oferece animais acabados com padrão de peso, garantia de sanidade, disponibilidade de escala para abate e, principalmente, carne de alta qualidade o ano inteiro.

Captar-Agrobusiness-Confinamento-fabrica-de-racao
Fabrica de ração / Foto: Captar Agrobusiness

“Nesses quatro anos de parceria, temos feito um trabalho intenso na Captar, tanto nutricional quanto de manejo, com o intuito de melhorar os índices zootécnicos. O cenário favorável, tanto para aquisição de insumos quanto para compra de animais de reposição tornará a atividade ainda mais lucrativa neste ano”, destaca Amanda.

“Estamos satisfeitos com a parceria, pois tudo o que foi acordado tem sido cumprido, sendo bom para os dois lados. Temos visto crescimento em nossos resultados, sobretudo com a presença da Amanda, que tem ajudado a melhorar tecnicamente o nosso pessoal”, conclui Almir.

Para saber mais sobre o confinamento, confira no site da empresa clicando aqui.

Fonte Asbia

1 COMENTÁRIO

Comments are closed.