Crime: união com pecuaristas reduz furtos e roubos

Crime: união com pecuaristas reduz furtos e roubos

PARTILHAR
Foto Divulgação.

O furto de gado representa 70% dos crimes agropecuários no Rio Grande do Sul.

Para coibir ocorrências como essa, assim como roubo de insumos e máquinas, a Secretaria de Segurança Pública do estado vem traçando novas estratégias para combater a violência no campo.

Os resultados já aparecem: no primeiro bimestre deste ano, houve redução de 30% nos crimes, em relação ao mesmo período do ano passado.

Em 2016, a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul criou uma força-tarefa de combate a crimes agropecuários. Em abril, foram inauguradas duas unidades da Delegacia de Polícia Especializada na Repressão aos Crimes Rurais e Abigeato (Decrab).

O delegado da unidade de Bagé, André de Matos Mendes, afirma que neste ano já foram mais de oito operações policiais e 200 pessoas presas.

“As Decrabs trabalham puramente com inteligência policial, com troca de informações e com análise de dados e, com isso, a gente consegue juntar elementos para identificar organizações criminosas, que é como essas pessoas estão trabalhando hoje”, diz.

O objetivo é aumentar ainda mais o enfrentamento ao crime especializado, por meio das denúncias dos produtores e da ampliação de estruturas que atendam especificamente quem trabalha no campo.

O deputado estadual Sérgio Turra (PP-RS) afirma que a meta é que cada região gaúcha tenha ao menos uma delegacia especializada em coibir crimes como abigeato (furto de gado), roubo de maquinário e insumos.

“Nós queremos que o Rio Grande do Sul seja protegido de uma maneira regular, tenha seu campo protegido, com as delegacias regionalmente instaladas”, diz o deputado.

Com informações do Canal Rural.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.