Crise: cana perde espaço para soja, milho e até amendoim

Crise: cana perde espaço para soja, milho e até amendoim

PARTILHAR
Foto Divulgação

Consultoria MB Agro afirma que se a demanda por etanol não seguir firme após a pandemia do coronavírus, muitos produtores deverão mudar a configuração geográfica das lavouras.

A cultura da cana-de-açúcar sofreu um forte baque com a pandemia do coronavírus. Reinando nos últimos anos nas lavouras do interior de São Paulo, a cana começou a perder espaço para os grãos – soja, milho e até amendoim. Afetada pelo derretimento do petróleo no mercado internacional, que afundou os preços do etanol, a cana já não é vista mais como uma cultura tão atraente. 

Assustado com o choque do petróleo, que derrubou os preços do etanol, o produtor Fernando Escaroupa, 34 anos, decidiu reduzir sua exposição à cana. Com uma área plantada de 535 hectares, já destinou 60 hectares para renovação de cultura e decidiu pelo plantio de soja, uma prática cada vez mais comum no setor. 

Mas ele não parou por aí. Uma área degradada de suas terras, que ficam na região de Jaboticabal, no interior de São Paulo, também vai ser preparada para o plantio de soja, somando 120 hectares somente para cultivo de grãos. “Estou trocando o incerto pelo certo”, disse Escaroupa, que vê uma rentabilidade melhor para a oleaginosa que será colhida no início do ano que vem. 

Segundo ele, há outros produtores que podem ir para o mesmo caminho. Desde o início da pandemia, o preço do petróleo caiu 40%, para abaixo de US$ 30 o barril. Isso derrubou o preço da gasolina – o que, por consequência, afeta diretamente o etanol. 

A 200 quilômetros de Jaboticabal está a fazenda de Ueslei Cavatão, também tradicional produtor de cana. Em Nipoã, na região de Monte Aprazível, ele investe em cana e soja, mas nos últimos sete anos começou a rever suas estratégias. Situado numa região onde usinas de açúcar e álcool estão em situação financeira delicada, Cavatão também tirou o pé da cana para apostar mais em grãos. 

“Já tive 500 hectares com cana. Hoje são 300 hectares para a cultura e 400 para soja”, disse. A família Cavatão era tradicional produtora de laranja, mas viu no boom da cana uma oportunidade para crescer. Nos últimos anos, contudo, o setor sucroalcooleiro começou a dar sinais de arrefecimento. 

Com a entrada de pedido de recuperação judicial da Usina Moreno no ano passado, o sinal amarelo bateu para a família. “Não dá simplesmente para ficar dependendo de uma empresa. Mas não dá para derrubar toda a cana e só produzir soja. Estamos avançando em renovação de cultura e em áreas degradadas”, disse. Segundo ele, uma boa parte do plantio de soja de sua fazenda que ainda não foi plantada já foi vendida para o exterior. 

Também decepcionado com a queda dos preços do petróleo, Juliano Goulart Maset, da região oeste de São Paulo, passou a plantar amendoim. “Os preços do amendoim no mercado internacional estão atraentes. Os produtores de São Paulo estão vendendo tudo para países como Rússia e Arábia Saudita. Aqui não vai ter festa junina”, diz. 

Para José Carlos Hausknecht, sócio da consultoria MB Agro, há um movimento em curso de mudança de plantio, mas não dá para o produtor de cana tomar decisão mais radical e derrubar todos os canaviais. “A cultura da cana é perene, cujo ciclo dura cinco ou seis anos. Toda receita está comprometida. As áreas que serão cedidas neste primeiro momento são as degradadas”.

Até fevereiro o setor de cana experimentou um dos melhores resultados dos últimos anos. O preço do açúcar estava em torno de 15 centavos de dólar por libra-peso, ante 12 centavos em igual período do ano anterior. Agora, está em torno de 10 centavos. Com isso, boa parte das usinas já tinha vendido açúcar para exportação. A demanda por etanol estava firme. “De março para cá o mercado virou de uma maneira absurda”, disse Hausknecht. 

Em situação mais delicada estão os produtores que fornecem matéria-prima para usinas sucroalcooleiras em recuperação judicial e correm o risco de não poder honrar suas dívidas. Na região Centro-Sul, que concentra a maior parte da produção do país, com 350 usinas, a situação fica ainda mais complicada para aquelas que só possuem destilarias. 

Das 267 unidades produtoras, 80 só produzem etanol. No Brasil, há 104 unidades produtoras em recuperação judicial, das quais 81 no Centro-Sul, segundo a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica). Desde 2005, 95 usinas foram fechadas na região. 

Com as incertezas provocadas pela pandemia, boa parte das empresas já em dificuldades financeiras vai para o mesmo caminho. Se a demanda por etanol não seguir firme após a pandemia, muitos produtores deverão reduzir o plantio da cana e mudar a configuração geográfica das lavouras. 

No início dos anos 2000, quando o governo Luiz Inácio Lula da Silva estimulou o etanol como combustível, produtores tradicionais de cana e aventureiros avançaram para o Centro-Oeste para plantar cana em campos de soja. Agora, é a soja que pede passagem para voltar a reinar sozinha e ganhar espaço em terras da cultura rival.

Fonte: Estadão Conteúdo

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com