‘Crise JBS’ reduz abate de bois e preocupa produtores

‘Crise JBS’ reduz abate de bois e preocupa produtores

jbs-logo
Foto: Divulgação

Produtores do Centro-Oeste estão preocupados com a crise econômica e política impulsionada pela JBS no país

Quem olha os números da bovinocultura de Mato Grosso, com 29,6 milhões de cabeças e a recente liderança nas exportações de carne bovina, ultrapassando São Paulo, pode pensar que os pecuaristas mato-grossenses estão sorrindo à toa. Porém, não é bem assim.

Produtores estão preocupados com a crise econômica e política impulsionada pela JBS no país. A empresa do grupo J&F, que concentra 50% do abate no Estado, iniciou redução do abate de boi e prazo de 30 dias para pagamento aos produtores –antes, pagava à vista.

As medidas foram colocadas em prática desde a operação Carne Fraca e se intensificaram com o envolvimento dos irmãos Wesley e Joesley Batista em escândalos.

Nos últimos 60 dias, as indústrias frigoríficas do grupo interromperam pontualmente os abates no Estado.

Para o presidente da Acrimat (Associação de Criadores de Mato Grosso), Marco Túlio Duarte Soares, é preciso punir a JBS e seus acionistas, mas, no atual cenário, ela é fundamental aos criadores.

“Infelizmente a JBS é a maior empresa do país. Em Mato Grosso ela monopoliza o mercado e, em algumas regiões, só existe ela.”

Das 22 empresas atuam em Mato Grosso, 11 são da JBS

O setor pede ajuda do governo federal e do BNDES, pois há 16 plantas paradas. O presidente do Sindicato Rural de Cuiabá, Jorge Pires de Miranda, defende que empresas de médio e pequeno porte assumam as plantas.

Um dos maiores criadores do Estado, o pecuarista Luis Olavo, disse que é preciso torcer pela JBS. “Não temos alternativas no momento. Ruim com eles, pior sem eles.”

TENSÃO

Em Mato Grosso do Sul, o clima de tensão não é diferente. O presidente da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), Maurício Saito, disse que a JBS abate cerca de 45% do total do Estado.

Por outro lado, ele disse que o momento de crise da JBS cria oportunidade para que outros frigoríficos aumentem a competitividade.

Para Eumar Novacki, secretário-executivo do Ministério da Agricultura, só com a fomentação de pequenos e médios frigoríficos será possível fortalecer o mercado e superar monopólio na área.

POSIÇÃO DA JBS

A JBS esclarece que:

  • Em maio, padronizou todos os processos de compra de gado no Brasil, com pagamento no prazo de 30 dias, o que já acontecia em 97% das praças onde atua. O pagamento em 30 dias sempre foi o padrão no mercado brasileiro.
  • a empresa ajusta seu volume de compras em linha com as demandas de mercado, que ainda se ressente da queda do consumo interno —movimento causado pela economia retraída dos últimos anos.
  • Assim, as mudanças mencionadas na política de compras da companhia estão atreladas às condições de mercado, e não a eventuais impactos do acordo de colaboração.
  • A empresa informa ainda que as operações da JBS no Brasil e no mundo continuam em ritmo normal. A companhia tem uma situação financeira robusta e todas as estratégias em andamento estão dentro do plano de negócios previamente estabelecido.

Fonte: Folha de São Paulo