Desempenho exportador das carnes na primeira quinzena de maio de 22

PARTILHAR
carne-exportação
Foto Divulgação.

Pela média diária embarcada nesses 10 dias, a carne bovina registrou aumento de 22% e a carne de frango de, aproximadamente, 5%

Os dados ontem divulgados pela SECEX/ME englobando as duas semanas iniciais de maio (primeira quinzena do mês, 10 dias úteis) apontam que, nas exportações brasileiras de carnes in natura, as carnes bovina e de frango mantêm o bom desempenho, enquanto a carne suína continua com volume e preços negativos em relação ao alcançado um ano atrás.

Pela média diária embarcada nesses 10 dias, a carne bovina registrou aumento de 22% e a carne de frango de, aproximadamente, 5%. Já o volume de carne suína retrocedeu 23%.

Os preços registrados tiveram comportamento similar. Os da carne bovina aumentaram quase 29% e os da carne de frango mais de 33%, enquanto os da carne suína retrocederam perto de 30%. Em decorrência, a receita da carne suína, pela média diária, vem sendo 30% menor que a de um ano atrás. Já carne de frango e bovina apresentam aumento de, respectivamente, 39% e 57%.

Como maio corrente tem um dia útil a mais que o mesmo mês do ano passado, os resultados finais para carne bovina e de frango serão maiores que os apontados pela média diária, enquanto as reduções da carne suína em termos de volume e de receita devem alcançar níveis menores.

O projetado, por ora, em relação ao volume, são aumentos de cerca de 10% para a carne de frango e de mais de 28% para a carne bovina. Para a carne suína o previsto é uma redução próxima de 20%.

No tocante à receita cambial os números atuais sugerem aumentos anuais de 46% e 65% para, respectivamente, as carnes de frango e bovina e uma redução de 27% para a carne suína.

Fonte: AviSite

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com