Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?

Especialista prevê “apagão” de cortes premium no Brasil

Segundo o especialista, se confirmada essa ruptura, as importações de cortes uruguaios e argentinos voltarão com força, ocupando o espaço do produto nacional; entenda

Uma notícia bombástica aos amantes de um bom churrasco: cortes bovinos de qualidade superior poderão se tornar escassos em steakhouses, foodservices e até mesmo em boutiques especializadas. Pecuaristas alegam que as bonificações oferecidas pelos frigoríficos não são suficientes para cobrir os custos de produção. Já a indústria sinaliza impossibilidade em aplicar reajustes, em uma realidade em que o markup do varejo varia entre 70% e 80%.

“Se confirmada essa ruptura, e na minha opinião isso já está acontecendo, as importações de cortes uruguaios e argentinos voltarão com força, ocupando o espaço do produto nacional. Seria triste, mas isso faz parte do amadurecimento de todos como cadeia produtiva. Somente o equilíbrio de rentabilidades deve estimular a retomada da produção”, prevê Roberto Barcellos, sócio da BBQ Secrets, consultor de pecuária de corte e de marcas de carnes prime, em entrevista ao MF Cast, do Grupo MF Rural

gado confinado de alta qualidade - roberto barcellos
Foto: Divulgação

Foi detalhado por ele o desânimo com as bonificações de 5% a 10% sobre o valor da arroba de boi gordo. O bovino necessário para produzir cortes especiais não pode ter menos de 28% de gordura corporal, por isso sua produção exige alto investimento, principalmente no confinamento. “O boi commodity atende com eficiência às demandas internas e às exportações, consumindo ao redor de 145 quilos de matéria seca por arroba produzida. Já esse boi especial, que resulta em uma verdadeira experiência gastronômica, necessita ingerir 190 quilos por arroba. E esse é apenas um dos custos envolvidos”, explicou Barcellos.

Outra diferença é que a carne bovina commodity, oriunda de um macho Nelore inteiro, criado a pasto, é isenta da necessidade de acabamento de carcaça (gordura) enquanto nos programas de qualidade de carne bovina os pecuaristas priorizam o abate de fêmeas, que, por sua vez, perdem em eficiência biológica, pelo porte menor e conversão alimentar inferior, exigindo comida extra no cocho. Ou seja, produzir carne de qualidade com novilhas de cruzamento industrial é caro.

A preferência por fêmeas se dá pela isenção de gastos com castração, como ocorreria com os machos, que perdem eficiência biológica após o procedimento, também exigindo reforço nutricional para que alcancem os parâmetros estipulados pela indústria, que, por vez, esbarra em margens estreitas.

Segundo Barcellos, na estrutura atual, os frigoríficos realmente não possuem condições de promover maiores repasses. Somente 30% dos cortes têm perfil para churrasco e os preços praticados para o restante da “carcaça premium” são os mesmos do boi comum. “Por enquanto, não conseguimos aumentar o mix de cortes na proporção que gostaríamos, para termos maior aproveitamento desse boi que é caro para ser produzido”, justifica.

Num efeito cascata, margens de lucro em alguns poucos cortes limitam as bonificações por qualidade, desanimando investimentos dentro da porteira. O especialista acredita que, talvez, seja este o motivo que leva a uma queda nas vendas de sêmen Angus, raça protagonista em programas de qualidade de carne. Agentes desse mercado projetam retração de 20% no balanço de 2023. “Exercitando o meu chutômetro, diria que teremos 400 mil fêmeas aptas aos programas em breve. Isso será suficiente para atender a demanda das 52 semanas do ano para todas as marcas de carne do país?”, questiona o sócio da BB Secrets.

especialista em carne Roberto Barcellos
Foto: Divulgação

O impacto será grande no mercado. Barcellos avalia que grandes movimentações serão observadas nos próximos anos, como o surgimento de novas marcas atendendo diretamente os consumidores, as indústrias ampliando as estruturas de confinamento visando autossuficiência e ainda criando lojas para tomar margens do varejo, além do foodservice com relacionamento mais próximo dos produtores.“O que parece ser uma notícia extremamente negativa à cadeia da carne bovina de qualidade deve ser encarada como uma grande oportunidade aos que fazem uma boa leitura do mercado, buscando as melhores articulações”, finaliza.

Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão? Para isso é só entrar em nosso grupo do WhatsApp (clique aqui) ou Telegram (clique aqui). Você também pode assinar nosso feed pelo Google Notícias

Não é permitida a cópia integral do conteúdo acima. A reprodução parcial é autorizada apenas na forma de citação e com link para o conteúdo na íntegra. Plágio é crime de acordo com a Lei 9610/98.

Siga o Compre Rural no Google News e acompanhe nossos destaques.
LEIA TAMBÉM