Estimativas apontam queda para produtividade do trigo

PARTILHAR
Foto: Divulgação

A Conab revisou para baixo as estimativas de produção da safra brasileira de trigo, em função da longa estiagem e das geadas do final de julho durante o desenvolvimento da safra.

Cepea, 18 de novembro de 2021 – A colheita do trigo se aproxima do fim no Brasil e as estimativas oficiais para o mundo e a produção brasileira divulgadas na segunda semana de novembro foram revisadas para baixo.

No Brasil, a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) revisou para baixo as estimativas de produtividade em vários estados, principalmente no Paraná e no Rio Grande do Sul. Em termos globais, o USDA também revisou para baixo as estimativas de produção, o que pode reduzir os estoques finais da safra 2021/22 ao menor nível desde 2015/16.

Esse cenário afastou muitos vendedores do mercado spot nacional, sustentando os preços, principalmente no Paraná. Por outro lado, no Rio Grande do Sul, o andamento da colheita pressionou os valores.

ESTIMATIVAS

A Conab revisou para baixo as estimativas de produção da safra brasileira de trigo, em função dos efeitos da longa estiagem e das geadas do final de julho durante o desenvolvimento da safra, que agora está prevista em 2.832 toneladas por hectare, 6,4% abaixo do reportado anteriormente, mas ainda 6% acima de 2020.

A área destinada à cultura do trigo no Brasil é estimada em 16% maior que a anterior, de 2,715 milhões de hectares. Com isso, a produção está estimada em 7,68 milhões de toneladas, 6,1% menor que a registrada em outubro, mas um salto de 23,3% em relação à safra anterior (6,23 milhões de toneladas).

No relatório deste mês, a disponibilidade interna de trigo (estoques iniciais + produção + importação) está estimada em 14,035 milhões de toneladas, 9,1% acima da safra anterior. Em relação à demanda, o consumo interno está previsto em 12,34 milhões de toneladas, 3,76% superior ao da safra passada. 

As exportações brasileiras de trigo entre agosto / 21 e julho / 22 continuaram estimadas em 900 mil toneladas pela Conab, porém, como a produção brasileira foi revisada para baixo, as importações foram revisadas para 6,2 milhões de toneladas. Assim, os estoques finais (em julho / 22) foram revisados ​​novamente para baixo, agora para 789 mil toneladas, ainda muito superior aos 146,9 mil toneladas estimados para julho / 21.

Fonte: Cepea

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com