Frigoríficos vendiam carne vencida, executivos da JBS e BRF foram presos

Frigoríficos vendiam carne vencida, executivos da JBS e BRF foram presos

PARTILHAR
Foto: Divulgação

Executivos das companhias JBS, BRF e outras e fiscais do Ministério da Agricultura foram presos nesta manhã na maior operação já realizada na história da Policia Federal.

São Paulo – JBS e BRF, duas das cinco maiores exportadoras do país, reconhecidas como as maiores empresas de carne do mundo, exemplos de sucesso empresariais inegáveis e da pujança econômica do Brasil nas últimas décadas são, hoje, alvo da Operação Carne Fraca.

Além delas, outros frigoríficos, grandes e pequenos, como Big Frango e Peccin, aparecem na decisão.

O nome escolhido pela Polícia Federal não poderia ser mais literal. A investigação revelou que as companhias usavam em suas operações carnes podres com ácido ascórbico para disfarçar o gosto, frango com papelão, pedaços de cabeça e carnes estragadas como recheio de salsichas e linguiças, além de reembalar produtos vencidos.

Trata-se da maior operação já realizada na história da PF, segundo a instituição, com mais de 1.100 policiais mobilizados em seis Estados (Paraná, São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Goiás) e no Distrito Federal.

Entre os presos, executivos das duas companhias e fiscais do Ministério da Agricultura. A investigação aponta que os frigoríficos tinham influência para escolher os servidores que iriam efetuar as fiscalizações na empresa, por meio de pagamento de propina.

Roney Nogueira dos Santos, gerente de relações institucionais e governamentais da BRF, e o vice-presidente José Roberto Pernomian Rodrigues (que já havia se envolvido em um escândalo anterior, na Cisco) estão na lista.

As ordens foram expedidas pela 14ª Vara da Justiça Federal de Curitiba (PR) e orientam 38 de prisão (27 preventivas e 11 temporárias), 77 de condução coercitiva e 194 de busca e apreensão locais supostamente ligados ao grupo criminoso.

Carne podre

A informação de que ao menos um dos frigoríficos usava carne pobre em seus produtos está na decisão da Justiça Federal do Paraná e foi dada pela médica veterinária Joyce Igarashi Camilo.

Ela era a veterinária responsável pelo frigorífico gaúcho Peccin, em 2014, e argumentou que a empresa “também comprava notas fiscais falsas de produtos com SIF (Serviço de Inspeção Federal) para justificar as compras de carne podre, e utilizava ácido ascórbico para maquiar as carnes estragadas”.

Normélio Peccin Filho e Idair Antônio Piccin, sócios do frigorífico, têm algumas de suas declarações mencionadas na decisão, que deixam claro o aval para práticas ilícitas dentro das normas de vigilância sanitária alimentícia.

Em uma delas, autoriza o uso de presunto podre “sem cheiro” para a produção alimentícia. Em outra, Idair manda uma funcionária comprar 2.000 quilos de carne de cabeça, para a fabricação de linguiça.

  • IDAIR – Você ligou?
  • NAIR – Eu, sim eu liguei. Sabe aquele de cima lá, de Xanxerê?
  • IDAIR – É.
  • NAIR – Ele quer te mandar 2000 quilos de carne de cabeça. Conhece carne de cabeça?
  • IDAIR – É de cabeça de porco, sei o que que é. E daí?
  • NAIR – Ele vendia a 5, mas daí ele deixa a 4,80 para você conhecer, para fechar carga.
  • IDAIR – Tá bom, mas vamos usar no que?
  • NAIR – Não sei.
  • IDAIR – Aí que vem a pergunta né? Vamo usar na calabresa, mas aí, é massa fina é? A calabresa já está saturada de massa fina, é pura massa fina.
  • NAIR – Tá.
  • IDAIR – Vamos botar no que?
  • NAIR – Não vamos pegar então?
  • IDAIR – Ah, manda vir 2000 quilos e botamos na linguiça ali, frescal, moída fina.
  • NAIR – Na linguiça?
  • IDAIR – Mas é proibido usar carne de cabeça na linguiça…
  • NAIR – Tá, seria só 2000 quilos para fechar a carga. Depois da outra vez dá para pegar um pouco de toucinho, mas por enquanto ainda tem toucinho (ininteligível).
  • IDAIR – O toucinho, primeira coisa, tem que ver que tipo de toucinho que ele tem.

Reprodução do site Exame