Gado Holandês: Associação Americana anuncia mudanças

Gado Holandês: Associação Americana anuncia mudanças

gado-holandes
Foto: ivfbioscience.com

Associação Americana de gado Holandês anuncia mudanças nas provas em busca de animal mais funcional

Valorização de vacas menores e com melhor capacidade de locomoção é um dos principais dos novos pontos divulgados.

Este mês, a Associação Americana de Gado Holandês (Holstein Association USA) anunciou que fará algumas mudanças em agosto. As novidades incluem busca por melhor equilíbrio nas características de produção e estrutura corporal mais funcional, com menor estatura.

“São mudanças importantes que acompanham uma tendência de mercado em busca de uma vaca cada vez mais eficiente”, destaca o gerente de Leite da ABS na América Latina, Klaus Freitas.

O gerente da ABS detalha que as mudanças anunciadas começam na fórmula do TPI. “Nas provas, haverá um maior equilíbrio nas características de produção, principalmente em relação a: gordura e proteína. Antes, a diferença entre elas era muito grande. Com a aproximação dos pesos atribuídos, a Associação mostra preocupação em atender o mercado”, avalia, informando que também foi adicionada a característica liveability (sobrevivência das vacas).

bezerras-gado-holandes
Foto: Divulgação

Além disso, em termos de conformação, foram anunciadas outras mudanças. Klaus Freitas ressalta que, no composto de úbere, haverá menor peso para a característica de profundidade de úbere e mais valorização da altura e da largura dos úberes posteriores. “Em relação ao composto de pernas e pés, retiraram a característica: pernas vista lateral e aumentaram o peso do escore de pernas e pés, uma característica que revela a boa locomoção das vacas”, afirma.

Também estão no rol das mudanças anunciadas para as provas de agosto a implantação de peso negativo para estatura, o que representa uma clara intenção de controlar a altura das vacas holandesas.

O que é TPI

“Total Performance Index (TPI®)”, índice de seleção oficial da Associação da raça Holandesa nos Estados Unidos, que classifica os animais com base no mérito genético combinado para características produtivas, eficiência e conformação, e o “Mérito Líquido Vitalício (NM$)”, índice criado pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), definido como lucro esperado na vida útil do animal. É o índice mais utilizado pelas fazendas leiteiras americanas.

Por Faeza Rezende, assessora de imprensa da ABS