Glifosato: Suspensão do uso pode gerar um prejuízo de R$ 25 bilhões

Glifosato: Suspensão do uso pode gerar um prejuízo de R$ 25 bilhões

PARTILHAR
glifosato
Anvisa afirma que a reavaliação toxicológica do glifosato vem sendo feita desde 2008 (Foto: Thinkstock)

Para a Sociedade Rural Brasileira, além do impacto na balança comercial brasileira, o não uso da substância poderá impactar no custo de produção por hectare.

A Sociedade Rural Brasileira (SRB) informou, em nota, que respondeu à consulta pública da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que trata da proibição ou não do ingrediente ativo glifosato em defensivos agrícolas no País. Para a entidade, a suspensão da substância representaria aumento no custo de produção por hectare e poderia gerar um prejuízo de R$ 25 bilhões na balança comercial brasileira.

A SRB informou, ainda, que tem incentivado produtores rurais a responderem à consulta, de forma favorável ao uso de defensores com a substância. Para a entidade, não há justificativa para a proibição do glifosato. O presidente da SRB, Marcelo Vieira, diz que, quando feita corretamente, com o uso dos equipamentos adequados, a aplicação do glifosato é “extremamente segura”.

Em dezembro do ano passado o desembargador federal Kassio Marques, do TRF-1, derrubou uma liminar do Ministério Público Federal (MPF) que suspendia a substância.

Consulta Pública

Falta um pouco mais de um mês para encerrar o prazo da consulta pública realizado pela Anvisa que trata do uso do glifosato no Brasil. A consulta ocorre depois da agência ter concluído um relatório publicado neste ano em que afirma que o herbicida mais utilizado no país, não causa câncer.

No entanto, a Anvisa sugeriu restrições quanto ao uso do produto no país. O prazo de contribuição vai até 6 de junho, após essa data, a diretoria do órgão avalia as sugestões pode promover debates para obter outras informações técnicas antes da decisão final sobre o uso do produto no Brasil.

Fonte: Estadão Conteúdo


Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com