Governo disponibiliza R$ 2 mi para produtores de leite

PARTILHAR
Foto: Divulgação

Medida amplia limite do Programa Rio Leite para investimentos em empreendedores do setor subirem de R$ 25 mil para R$ 40 mil no estado.

No mês de janeiro é comemorado o Dia Internacional do Queijo (20/01) e além do fato de a iguaria agregar pessoas à mesa, abre oportunidades de negócios, empregos, renda e até o turismo. Tanto é que no Estado do Rio de Janeiro, a Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento (SEAPPA) oferece programas de financiamento para legalização, auxílio e expansão da capacidade dos produtores fluminenses.

Somente com o Programa Rio Leite, focado no financiamento de produtores de leite, matéria-prima do queijo, a secretaria apoiou 84 projetos fluminenses, financiando cerca de R$ 2 milhões desde julho de 2020 para estruturar suas produções e agregar valor aos produtos desenvolvidos dentro do estado. A medida, de retorno a curto e médio prazo, deu tão certo que recentemente o teto para investimentos dos empreendedores saiu de R$ 25 mil e agora já dispõe do limite de R$ 40 mil para estruturar os negócios.

– Em uma fatia de queijo está o sonho e trabalho de muitas pessoas. Investimos R$ 2 milhões em micro e pequenas empresas do setor de laticínios porque sabemos da vocação de diversas cidades, principalmente no interior do estado. Esses projetos fazem a diferença na vida desses empreendedores, que criam oportunidade de trabalho, renda e estimulam a economia de suas cidades.

O planejamento da nossa secretaria, por meio do Programa Prosperar, é aportar mais 100 projetos, com financiamento em torno de R$ 5 milhões nos próximos anos – afirma o governador Cláudio Castro.

Condições facilitadas para pagamento

Os valores investidos pelo projeto Rio Leite são concedidos sob taxas abaixo das praticadas em bancos (2% ao ano) e com carência de 12 meses para começar a pagar, com parcelas de 48 meses. Todos os valores devolvidos pelos produtores é reinvestido para que possam atender outros negócios da mesma natureza. Já o Programa Prosperar financia agroindústrias em até R$ 100 mil e já apoiou 55 unidades de processamento de leite com legalização sanitária, tributária, ambiental, totalizando investimentos de R$ 2.390.651,46 nos últimos anos. 

Foi por meio deles que a fábrica de laticínios Manoel Borges, localizada na cidade de Paty do Alferes, fortaleceu suas vendas no município e expandiu para Petrópolis, Paraíba do Sul, Três Rios, Barra do Piraí, Vassouras, Paracambi, Miguel Pereira e na capital Rio de Janeiro. Rogéria Borges, filha do fundador da empresa e sócia da marca com mais de 20 anos no mercado, destaca como o projeto permitiu aumentar a variedade de produtos, empregar 15 pessoas diretamente e mais de 100 indiretamente. 

– Aqui nós temos a produção manual de queijo minas frescal, minas tipo padrão, parmesão, ricota, doce de leite, manteiga, iogurte com vários sabores (morango, aveia, banana e mel, natural e outros) além de doce de leite com geleia de maracujá. Tudo feito com a polpa da fruta. Todos os nossos produtores são de Paty do Alferes, Paraíba do Sul e Vassouras. Com a linha de crédito oferecida pelo Prosperar compramos uma desnatadora, um pasteurizador e um resfriador. Iríamos demorar muito para ter esses equipamentos e, com esse investimento, conseguimos comprar e armazenar muito mais leite – afirma.

Turismo rural

A evolução atraiu até mesmo os estrangeiros. A loja da empresa já recebeu turistas da Itália e da Alemanha, o chamado de turismo rural. Uma realidade que ocorre também no Sítio Solidão, localizado em Miguel Pereira. Lá, são produzidos laticínios, entre eles 25 tipos de queijo, sejam eles os feitos com leite de vaca (ricota, queijo frescal, padana, etc) os de cabra (feta e curado) e o de ovelha (amanteigado e pecorino) por exemplo. 

– O turismo rural é uma realidade na região. Nosso sítio é aberto à visitação . As pessoas podem acompanhar desde a ordenha até conhecer as ovelhas ou pegar os filhotes no colo. Em nossa fábrica vão grupos específicos como estudantes e pesquisadores – afirma a produtora de laticínios, Olívia Kalicinski.

Fonte: SEAPPA

🚀 Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão? ✅ 👉🏽 Para isso é só entrar em nosso grupo do WhatsApp (clique aqui) ou Telegram (clique aqui). 🚜🌱 Você também pode assinar nosso feed pelo Google Notícias

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com