Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?

Governo reduz projeção de crescimento do PIB em 2023 a 3,0%, vê expansão menor e inflação mais alta em 2024

A Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda revisou para baixo a previsão de crescimento econômico do Brasil em 2023 para 3,0%, com uma ligeira piora nas projeções para 2024. Além disso, a entidade identificou uma expectativa de maior pressão de preços no próximo ano.

O crescimento esperado pela pasta para este ano está abaixo dos 3,2% estimados em setembro, mostrou o mais recente boletim macrofiscal, publicado nesta terça-feira. “A mudança repercute, principalmente, revisão para a estimativa de variação do PIB no terceiro trimestre, de 0,1% para 0,0% na margem, além do menor dinamismo previsto para a atividade em serviços”, informou a SPE no documento.

Em setembro, a pasta havia elevado sua perspectiva para a expansão econômica deste ano em 0,7 ponto percentual, na esteira de dois trimestres consecutivos de surpresas positivas no resultado do PIB brasileiro. No entanto, economistas têm alertado para grandes chances de desaceleração do ímpeto econômico nas leituras do segundo semestre deste ano.

Para 2024, a projeção do governo para a expansão do PIB também recuou ligeiramente, a 2,2%, de 2,3% antes.

“A mudança reflete o aumento das incertezas no ambiente externo em função da eclosão de conflitos geopolíticos; dos riscos relacionados à desaceleração do crescimento chinês; e da perspectiva de manutenção dos juros americanos em alto patamar por mais tempo”, explicou a SPE no boletim, citando ainda perspectiva menos favorável para a safra do próximo ano.

As previsões do governo para a atividade ainda estão melhores do que as expectativas do mercado, que apontam para crescimento de 2,85% em 2023 e 1,50% em 2024, segundo o mais recente boletim Focus do Banco Central.

Em relação à inflação, a SPE passou a ver alta de 4,66% do IPCA este ano, contra previsão de 4,85% no último boletim, argumentando que o processo de desinflação vem ocorrendo “com velocidade maior do que a projetada até meados do ano”. A nova estimativa está agora dentro do teto da meta de 4,75% de 2023.

Por outro lado, para o ano que vem, a alta dos preços agora é calculada em 3,55%, de 3,40% antes, ainda bem abaixo do teto de 4,50%, mas acima da meta central de 3%. O ajuste foi justificado pela SPE com menções a “mudanças marginais” em projeções para o câmbio e para os preços de commodities, bem como reajustes anunciados do ICMS sobre gasolina, diesel e GLP e impactos esperados do El Niño sobre os preços de alimentos, energia e combustíveis.

Fonte: Reuters

VEJA TAMBÉM:

Transgênico gerou receita ‘extra’ de R$ 143,5 bi ao agro

Clima favorece produção de etanol na safra 2023/24

ℹ️ Conteúdo publicado pela estagiária Ana Gusmão sob a supervisão do editor-chefe Thiago Pereira

Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão? Para isso é só entrar em nosso grupo do WhatsApp (clique aqui) ou Telegram (clique aqui). Você também pode assinar nosso feed pelo Google Notícias

Não é permitida a cópia integral do conteúdo acima. A reprodução parcial é autorizada apenas na forma de citação e com link para o conteúdo na íntegra. Plágio é crime de acordo com a Lei 9610/98.

Siga o Compre Rural no Google News e acompanhe nossos destaques.
LEIA TAMBÉM