Guandu BRS Mandarim é alternativa natural para adubação da pastagem

Guandu BRS Mandarim é alternativa natural para adubação da pastagem

PARTILHAR
Animais pastejando em área com guandu BRS Mandarim e braquiária - Foto: Anaterra Rendeiro

Durante a Dinapec, especialistas da Embrapa Pecuária Sudeste vão apresentar o Guandu BRS Mandarim.

Como opção para recuperação de pastagem degradada, alimentação animal na época seca e como adubo verde, disponibilizando mais de 200 kg/ha de nitrogênio (N) à pastagem.

A edição 2018 da Dinapec ocorre de 7 a 9 de março em Campo Grande.

Por ser uma leguminosa, fixa o Nitrogênio em nódulos formados na raiz da planta. Dessa forma, em sistemas de consórcio com braquiária, o produtor recupera o pasto sem a necessidade de adubo nitrogenado. Para o pesquisador Rodolfo Godoy, é uma maneira eficiente e prática de recuperar a pastagem a um custo baixo.

No final do inverno, o guandu que não foi consumido pelo gado deve ser roçado. O material remanescente fica sobre a superfície da pastagem e passa a funcionar como adubação natural, melhorando a fertilidade do solo. As plantas roçadas rebrotam e inicia-se outro ciclo.

Ainda, o guandu BRS Mandarim tem outras vantagens. Sua forragem é de alto teor proteico, funcionando como fonte de proteína para os animais durante a época seca, que é quando o gado alimenta-se da planta. Em experimentos de consórcio da leguminosa com braquiária na Embrapa Pecuária Sudeste observou-se também: aumento do ganho de peso individual, aumento da lotação animal, aumento do ganho de peso por unidade de área e menos tempo para o abate de novilhas Nelores.

A persistência do guandu na área é por volta de três anos. Só após esse período é necessário novo plantio. Menos trabalho e economia para o pecuarista, já que não há necessidade de replantar essa leguminosa todos os anos.

Para outras informações consulte a Embrapa Pecuária Sudeste pelo site www.embrapa.br/pecuaria-sudeste ou pelo Serviço de Atendimento ao Cidadão sac@embrapa.br

Sobre a Dinapec

A realização da Dinâmica Agropecuária tem o apoio das seguintes instituições: Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer), Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (IAGRO), Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (SEDESC), Fundo para o Desenvolvimento das Culturas de Milho e Soja de MS (FUNDEMS), Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Fundação MS, Fundação Chapadão, Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária e Ambiental (Fundapam), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR/MS), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Rede ILPF, Geneplus, Tramasul, Coimma, Companhia Nacional de Nutrição Animal (Connan), Sistema Brasileiro do Agronegócio e DBO. O patrocínio é da Associação para o Fomento à Pesquisa de Melhoramento de Forrageiras (Unipasto), do Banco do Brasil e do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com realização da Embrapa e Sistema Famasul.

A Dinapec é uma vitrine de tecnologias, que acontece anualmente na Embrapa em Campo Grande (MS), aberta a técnicos, produtores e acadêmicos, dispostos a conhecer as soluções tecnológicas desenvolvidas pela pesquisa agropecuária para os diversos sistemas de produção. O encontro visa compartilhar conhecimento e soluções para o agro nacional.

Fonte: Embrapa

-- conteúdo relacionado --
MS é líder nacional na integração lavoura pecuária... Sistema ILP é alternativa para a recuperação de áreas degradadas. Mato Grosso do Sul é líder nacional no sistema ILP (Integração Lavoura Pecuária) co...
Aberta consulta pública sobre procedimentos na pro... Manifestações devem ser feitas pela internet em formulário disponível no site do Mapa. Está aberta consulta pública para sugestões ao regulamento téc...

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com