Heptacampeã, Maragogipe usa genética Genex

Heptacampeã, Maragogipe usa genética Genex

PARTILHAR
Foto: Divulgação

Maragogipe gabarita 100% dos quesitos em Concurso de Carcaças Angus; resultado evidencia a consistência do trabalho da Agropecuária.

Pelo sétimo ano consecutivo, a Maragogipe venceu o “Concurso de Carcaças Angus de Bataguassu”, promovido pela Marfrig em Mato Grosso do Sul e considerado um dos mais concorridos do gênero. Nesta edição, a Agropecuária alcançou novamente o primeiro lugar nas categorias Machos e Fêmeas, gabaritando 100% dos quesitos e perpetuando a consistência do seu trabalho de melhoramento genético, desenvolvido com genética GENEX.

A propriedade de Wilson Brochmann, em Itaquiraí (MS), é referência na produção de carcaças meio sangue Angus e os touros utilizados são 100% da central, um trabalho genético desenvolvido há mais de 20 anos.

De acordo com o Programa Carne Angus Certificada, 863 animais, de 11 produtores participaram da edição. O lote campeão dos machos da Maragogipe teve média de peso na entrada de 412,8 kg, alcançando 27,9 @, com 726 kg de peso vivo no abate. O peso de carcaça atingiu 418,7, com 57,7% de rendimento. No lote de fêmeas, a média de peso na entrada foi de 390,7, chegando a 23,5 @ com 625,1 kg de peso vivo no abate. O peso da carcaça atingiu 352,1, com 56,3% de rendimento. Ambos com gordura uniforme, espessura de 6 a 10 mm e 100 pontos.

Foto: Divulgação

O coordenador do Programa Carne Angus na região, Maychel Borges, que acompanha o concurso, conta que a Maragogipe sempre apresentou animais excepcionais. Ele frisa, no entanto, que este ano surpreendeu a todos. “Foi estarrecedor, na verdade. Nesta edição eles vieram mostrando coisas que, sinceramente, o pessoal vai pedir para ‘ver para crer’. Machos com média de 28@ e fêmeas com 23@ aos 14 meses de idade, muito pesados, bem acabados, com ótimo padrão racial e de carcaça. Isso para o mercado ainda é assustador, por isso sempre digo aos pecuaristas que a Maragogipe é onde eles têm que se espelhar e tentar trazer o máximo possível para a sua realidade”.

Foto: Divulgação

Ele acrescenta que a Maragogipe já tinha estabelecido o padrão mais alto de onde a raça poderia chegar, mas depois desse concurso mostrou que o Angus está numa linha crescente e pode ir muito além. “Só temos a parabenizar a Maragogipe e também a GENEX pelo trabalho”, destaca Borges.

O diretor-executivo da Maragogipe, Wilson Brochmann conta que o grande diferencial dos animais que foram para o concurso esse ano é o tripé: genética, manejo e nutrição. “Esse tripé aliado à utilização das matrizes do melhoramento DeltaGen foram fundamentais para conquistarmos o sucesso mais uma vez no concurso. Ao selecionarmos os animais para o cruzamento industrial, contamos com o apoio da GENEX, que nos auxilia na identificação dos melhores touros, aqueles direcionados para alta conversão alimentar e precocidade de terminação, que vão gerar animais dentro das especificações e requisitos do Programa Carne Angus”, explica. O gerente da agropecuária, Leandro Vieira Menezes acrescenta que a isso se somam a dedicação da equipe e a busca constante pelo aprimoramento do seu sistema de produção.

Para a gerente de produto corte da GENEX, Juliana Ferragute, esse trabalho exige da central uma busca constante pelo ajuste fino no cruzamento industrial e, em especial, do Angus GENEX para a obtenção dos melhores resultados. “O projeto dirigido por Wilson Brochmann tem se tornado um modelo de interação de genética e ambiente para a obtenção do máximo desempenho. E esse é nosso objetivo – o atendimento customizado para as diferentes realidades e sistemas de produção da pecuária nacional”, conclui.

O gerente técnico do programa de melhoramento DeltaGen, Rodrigo Dias, explica que o trabalho é focado na melhoria constante da vacada e que, a partir daí, a propriedade consegue direcionar internamente quais dessas vacas Nelore serão utilizadas dentro do programa e quais, por algum motivo, não estão enquadradas no objetivo de seleção do Nelore, mas que são ótimas fêmeas para produção de animais meio sangue.

“Acreditamos que, junto com outros fatores (pilares do sistema de produção), esse é um diferencial da Maragogipe. O direcionamento das matrizes e dos touros que serão adquiridos, todo esse trabalho é que traz, de fato, o sucesso e a possibilidade do Dr. Wilson e seus irmãos alcançarem pela sétima vez consecutiva o concurso de carcaças. A Maragogipe consegue sintetizar tudo aquilo que o DeltaGen se propõe a fazer, que é o melhoramento genético de uma matriz Nelore como base para se desenvolver um ótimo trabalho dentro do Nelore ou usando o cruzamento industrial”, finaliza Dias.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com