Holanda: pegada de carbono do leite cru cai 35%

PARTILHAR
Foto: Divulgação

As mudanças metodológicas afetam o nível absoluto da pegada de carbono em até 27%, mas o impacto na taxa de redução ao longo do tempo é insignificante.

Os cientistas descobriram que as emissões de gases de efeito estufa por kg de leite na Holanda caíram 35% entre 1990 e 2019 com base em uma avaliação do ciclo de vida (do nascimento ao portão da fazenda).

A pegada de carbono do leite de vaca cru produzido na Holanda em 2019 foi de 992g CO2-eq. por kg de leite corrigido para gordura e proteína (FPCM), em comparação com 1.522g CO2-eq em 1990.

A taxa de redução da pegada de carbono é afetada pelo escopo do estudo, com uma taxa de redução menor encontrada se a mudança direta no uso da terra (32%) e o balanço de carbono orgânico do solo (29%) forem considerados. 

As mudanças metodológicas afetam o nível absoluto da pegada de carbono em até 27%, mas o impacto na taxa de redução ao longo do tempo é insignificante.

A equipe de pesquisa concluiu que muitos elementos influenciam essa diminuição nas emissões de gases de efeito estufa por kg de leite — desde menos eletricidade e uso de alimentos compostos por kg de leite até quase reduzir pela metade a quantidade de nitrogênio aplicado por hectare e de um aumento na produtividade da vaca leiteira para um rebanho menor de animais jovens.

Junto com esse processo, o sistema leiteiro holandês evoluiu para menos pastagens e menos terras dedicadas a pastagens permanentes, o que diminuiu o sequestro de carbono, de acordo com os pesquisadores da cooperativa multinacional de laticínios FrieslandCampina, Wageningen University and Research, Blonk Consultants e Schothorst Feed Research.

Resultados

Redução da pegada de carbono (do maior para o menor) e emissões de gases de efeito estufa 1990-2019:

Para atingir as metas climáticas, a taxa de redução anual precisa ser aumentada e esforços adicionais são necessários se o setor de laticínios holandês quiser fazer sua parte na limitação do aquecimento global a 1,5°C.

Eles destacaram que a indústria precisa reduzir as emissões de gases de efeito estufa do armazenamento de estrume e da fermentação entérica, mas acrescentaram que o principal desafio futuro é encontrar um conjunto equilibrado de medidas para reduzir integralmente todas as fontes de emissões de GEE dentro da pegada de carbono do leite.

Comentando a pesquisa, publicada no Journal of Cleaner Production, Margrethe Jonkman, diretora global de pesquisa e desenvolvimento da FrieslandCampina, disse que a pesquisa mostrou a determinação dos produtores de leite holandeses que continuam comprometidos em fornecer alimentos com um impacto climático cada vez menor.

“Estamos cientes de que nossas metas climáticas para 2030 exigem aceleração. Mas esta pesquisa e nosso próprio monitoramento extensivo no nível da fazenda individual são positivos e mostram que nossos produtores de leite membros podem alcançar isso”.

Fonte: MilkPoint

🚀 Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão? ✅ 👉🏽 Para isso é só entrar em nosso grupo do WhatsApp (clique aqui) ou Telegram (clique aqui). 🚜🌱 Você também pode assinar nosso feed pelo Google Notícias

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com