Ignorando o dólar, milho bate máximas

Ignorando o dólar, milho bate máximas

PARTILHAR
fim da colheita de milho
Foto: Raquel Wedmann

Mesmo com o forte recuo do dólar nos últimos dias, escassez de milho no mercado físico faz com que preço em São Paulo chegue aos R$ 94,00/sc!

O mercado físico do milho ignorou completamente a movimentação do dólar na sexta-feira e focou na alta das cotações internacionais para registrar valorização e fechar a semana próximo dos R$ 94,00/sc, o movimento de alta foi auxiliado pela falta de interesse dos produtores em negociar neste momento.

Já na B3, a história foi diferente, o contrato futuro com vencimento para set/21 recuou 1,04%, e se estabeleceu cotado a R$ 82,91/sc, o menor valor desde 03/03/2021.

Em Chicago, as cotações do milho foram movimentadas mais uma vez pelos chineses. Com a venda de mais 800 mil toneladas de cereal para o gigante asiático na sexta-feira, somando assim mais de 3,8 milhões de toneladas na semana, a cotação do milho para maio/21 na CBOT avançou 2,06%, ficando cotado a US$ 5,58/bu. Além disso, cabe a ressalva de que a alta do petróleo WTI auxiliou nesta valorização.

Boi Gordo

O mercado atacadista de carne bovina continua paralisado. Após o anúncio do adiantamento dos feriados na capital paulista devido ao endurecimento das medidas restritivas da pandemia, não haverá dias úteis entre 26 de março a 4 de abril. Com isso, a insegurança foi estabelecida no varejo. Os volumes negociados são muito inferiores aos da semana passada, e quase toda a mercadoria fica na prateleira, a perspectiva aponta para uma estabilidade tensa na próxima semana.

Seguindo o mesmo ritmo, na B3 o dia foi de realização de lucros. O contrato futuro com vencimento para maio/21 terminou cotado a R$ 301,10/@, revelando um recuo de 2,16% ante a véspera. O avanço da moeda brasileira frente ao dólar auxiliou na queda dos preços do animal.

No entanto, futuro é futuro e físico é físico, e as cotações do boi gordo permaneceram firme nos R$ 310,00/@ em São Paulo, com o boi China querendo buscar os R$ 320,00/@.

Soja

O combo de colheita finalizando e dólar em queda pressionaram a cotação da soja no país por mais um dia. A oleaginosa bateu os R$ 167,00/sc em Paranaguá no fim da última semana, pressionada pelo dólar que recuou 1,42% e fechou a sexta-feira cotado a R$ 5,48, menor valor desde 24/02/2021. No Mato Grosso, a colheita da soja atingiu 91,75% da área total, se alinhando a média dos últimos anos.

Após registrarem recuos nos últimos dias, os preços da oleaginosa nos EUA voltaram a apontar para uma valorização na sexta-feira. O contrato com vencimento para maio/21 da oleaginosa em Chicago fechou o dia com alta de 1,72%, ficando cotado a US$ 14,16/bu. Além da movimentação técnica, a valorização do real frente ao dólar contribuiu para que os preços da soja avançassem em Chicago.

Fonte: Agrifatto

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.