Imagem da semana: Edema de barbela em bovino

PARTILHAR
Edema de Barbela em bovino
Foto: Veterinária Ana Mendes

Médica veterinária compartilha foto de animal acometido por edema de barbela; veja como tratar animais acometidos pela doença

A Médica Veterinária Ana Mendes de Nova Crixás, Goiás, compartilhou sua experiência nas redes sociais e fez grande sucesso pelo raridade da foto. Segundo ela o animal, em sistema de confinamento, foi acometido pelo edema de barbela, normalmente causado pela diminuição da pressão osmótica ou aumento da pressão oncótica. Em confinamentos, podem estar relacionados a algum corpo estranho, nível de monensina alta, dentre outros fatores. “Em alguns lugares, são casos extremamente raros, os tratamentos nem sempre são eficazes. Como lidamos com animais de produção, reduzimos ao máximo o desconforto para o animal, e na maioria das vezes temos sucesso em nossos tratamentos.” – comentou Ana Mendes.

Ana ainda comentou que em alguns casos é usado apenas o tratamento injetável de algumas medicações, já em outros foi necessário a intervenção cirúrgica. “Esses animais são super sensíveis, e devem ser manipulados com a maior calma. É de extrema importância, que eles não passem por qualquer tipo de stress, isso além de dificultar o tratamento, pode levar o animal a óbito também.”

Edema de Barbela em bovino
Foto: Veterinária Ana Mendes

Buscando na literatura também encontramos a pesquisadora da Embrapa Gado de Corte de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Vanessa Felipe que fala um pouco sobre o problema e como tratá-lo.

O aumento de volume na região do pescoço e na barbela dos bovinos pode ter diferentes origens. Por isso, é fundamental realizar um diagnóstico preciso para que o tratamento correto seja adotado. No caso de hiperplasia da tireoide, também conhecida como hipotireoidismo, bócio ou papeira, a causa é a deficiência de iodo. Os sinais costumam ser observados em animais recém-nascidos ou jovens, filhos de vacas submetidas a dietas carentes do elemento.

edema de barbela
Foto: Divulgação

Em nível grave, podem ocorrer fraqueza, alterações congênitas, como cegueira ou falta de pelo, e até natimortos. Recomenda-se suplementação de sal mineral balanceado nas refeições, principalmente em criações localizadas em regiões onde o solo é pobre em iodo, ou aplicação preventiva ou curativa de produtos comerciais à base de iodo.

O edema de barbela, provocado na maior parte por verminose, tristeza parasitária ou ingestão de plantas tóxicas, é outra causa. Para tratar de verminose, indica-se aplicar, em épocas de início e meio da estação seca e início da das águas, vermífugos capazes de reduzir a carga parasitária dos animais, além de adotar práticas para quebrar o ciclo reprodutivo dos parasitos, como o manejo das pastagens.

O controle da tristeza parasitária bovina, amarelão, ou piroplasmose geralmente segue protocolos de tratamento nos estágios iniciais da doença, e incluem a administração de produtos comerciais com efeito babesicida, anaplasmicida ou associação de ambos. Complexos vitamínicos, antitóxicos e hidratação, servem de apoio. Timbó (Ateleia glazioviana) e cipó-preto, cipó-ruão ou cipó-vermelho (Tetrapterys spp), são algumas das plantas tóxicas e, portanto, na existência delas, devem ser retirados os animais do local de pastejo.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.