Imposto sobre a carne é “inevitável”, entenda o porque

Imposto sobre a carne é “inevitável”, entenda o porque

PARTILHAR
prateleira carne
Foto Divulgação.

Impostos sobre a carne para reduzir seu enorme impacto sobre as mudanças climáticas e a saúde humana parecem inevitáveis, de acordo com analistas de investidores.

Uma nova análise da rede de investidores, Investers Risk Animal Investment Risk and Return (Fairr) argumenta que a carne está agora seguindo o mesmo caminho que tabaco, emissões de carbono e açúcar em direção a um imposto sobre produtos nocivos para reduzir o consumo. Os impostos sobre a carne já foram discutidos em parlamentos na Alemanha, Dinamarca e Suécia, ressalta a análise, e o governo da China reduziu seu consumo máximo recomendado de carne em 45% em 2016.

“Se os formuladores de políticas devem cobrir o verdadeiro custo das epidemias humanas como obesidade, diabetes e câncer, e epidemias animais, como a gripe aviária, ao mesmo tempo em que abordam os dois desafios das mudanças climáticas e a resistência aos antibióticos, uma mudança de subsídios para tributação da indústria da carne parece inevitável”, disse Jeremy Coller, fundador da Fairr e diretor de investimentos da empresa de capital privado Coller Capital. “Investidores com visão avançada devem planejar com antecedência para este dia”.

Maria Lettini, diretora da Fairr, disse: “À medida que a implementação do acordo climático de Paris progride, é provável que vejamos ações do governo para reduzir o impacto ambiental do setor pecuário global. No caminho atual, podemos ver uma forma de imposto sobre a carne surgir dentro de cinco a 10 anos.”

A primeira análise global dos impostos sobre a carne realizada em 2016 descobriu que tarifas de 40% em carne bovina, 20% em produtos lácteos e 8,5% em frango economizaria meio milhão de vidas por ano e reduziria as emissões de gases de efeito estufa. Propostas na Dinamarca sugeriram um imposto de US$ 2,70 por quilo de carne.

Os impostos sobre a carne são muitas vezes vistos como politicamente impossíveis, mas pesquisas feitas por Chatham House em 2015 descobriram que são muito menos desagradáveis para os consumidores do que os governos pensam. A pesquisa mostra que as pessoas esperam que os governos liderem a ação em questões que são para o bem global, mas que a conscientização sobre os danos causados pela indústria pecuária é baixa. O uso de receitas fiscais de carne para subsidiar alimentos saudáveis é uma ideia promovida para reduzir a oposição.

“É apenas uma questão de tempo para a agricultura se tornar foco de uma séria política climática”, disse Rob Bailey do Chatham House. “O caso de saúde pública provavelmente fortalecerá a resolução do governo, como já vimos com o carvão e o diesel. É difícil imaginar uma ação para taxar a carne hoje, mas no decorrer dos próximos 10 a 20 anos, espero que as tarifas sobre a carne se acumulem.”

A necessidade de um alto imposto sobre a carne poderia ser reduzida se surgirem tecnologias revolucionárias para reduzir drasticamente as emissões dos gado, disse Lettini, mas nenhuma delas existe hoje. Outra opção mais promissora é a indústria nascente mas em rápido crescimento de alternativas vegetais à carne, como o Impossible burger.

“Há grandes oportunidades no mercado”, disse Lettini. “Se pudermos começar a substituir a proteína da carne por proteínas à base de plantas que tenham o mesmo aspecto, sabor e se pareça com carne, onde os consumidores de carne fiquem felizes comer um hambúrguer que é à base de vegetais, estamos mudando o mundo.”

Fonte: The Guardian, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com