Incertezas sobre conflitos oscilam preço dos grãos

PARTILHAR
Foto: Divulgação

Segundo a AgResource, além do ajuste técnico de posições, as incertezas sobre uma solução para a guerra entre Rússia e Ucrânia tem alimentado as fortes oscilações dos preços dos grãos.

A forte liquidação de contratos nas negociações do trigo teve influência sobre o milho, que também caiu. O contrato para entrega em maio, o mais ativo, fechou o dia em baixa de 3,69% (28 centavos de dólar), a US$ 7,300 o bushel. Já a posição seguinte, que vence em julho, desvalorizou-se 3,63% (26,25 centavos), a US$ 6,970 o bushel.

A AgResource informou que os fundos de investimentos negociaram ao menos 15 mil contratos de milho, 7,6 mil de trigo e 3,4 mil de soja durante o pregão. Segundo a consultoria, além do ajuste técnico de posições, também as incertezas sobre uma solução para a guerra entre Rússia e Ucrânia tem alimentado as fortes oscilações dos preços dos grãos. “Temos alertado os clientes sobre a volatilidade desde fevereiro, e não há sinal de que ela vá acabar tão cedo”, disse a consultoria.

Outro elemento de pressão sobre as cotações foram os dados sobre a produção de etanol nos EUA, onde o milho é o principal insumo para a fabricação do biocombustível. Segundo a Administração de Informação de Energia (EIA, na sigla em inglês), os estoques americanos de etanol alcançaram 25,95 milhões de barris na semana encerrada em 11 de março, seu maior nível desde abril de 2020. O mercado esperava que os estoques chegassem a um intervalo entre 25,25 milhões e 25,5 milhões de barris. O aumento em relação à semana anterior foi de 680 mil barris.

Já a produção diária do biocombustível recuou 0,2% entre uma semana e outra, para 1,026 milhão de barris por dia. O volume ficou dentro do esperado por analistas ouvidos pelo jornal “The Wall Street Journal”, que previam produção na faixa entre 1,013 milhão e 1,035 milhão de barris por dia.

Soja

A soja caiu pela quarta sessão consecutiva na bolsa de Chicago, em um movimento de correção de preços após o forte aumento do mês passado. O contrato com entrega para maio, o mais negociado atualmente, caiu 0,57% (9,50 centavos de dólar), a US$ 16,4925 o bushel, e a posição seguinte, para julho, recuou 0,6% (9,75 centavos), a US$ 16,260 o bushel.

A avaliação de parte do mercado é que as perdas da safra da América do Sul já foram contabilizadas. Com isso, o mercado passa a concentrar sua atenção sobre a perspectiva para a temporada 2022/23 dos Estados Unidos, que será cultivada dentro de alguns meses. “A tendência é que os números sobre a intenção de plantio neste verão dos EUA tenham uma atenção maior do que teriam normalmente”, afirmou Tomm Pfitzenmaier, da Summit Commodity Brokerage, em relatório.

O Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) divulgará no próximo dia 31 os números de intenção de plantio dos produtores do país; a primeira estimativa indicou aumento de área de 0,9% em relação a 2021/22. Há preocupação com o preço dos fertilizantes e se isso afetará os trabalhos no campo.

Fonte: Valor Econômico

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com