Índia: cruzando o oceano do leite com mulheres ao leme

PARTILHAR

Lançado em 2014 no formato Farmer Producer Organization (FPO), com sede em Tirupati, agora é copropriedade de 109 mil mulheres do sul da Índia.

O que começou como um empreendimento cooperativo modesto, em um período de apenas oito anos, se transformou na maior empresa de laticínios do mundo totalmente de propriedade de mulheres rurais – Shreeja Mahila Milk Producers Company Limited (MMPCL).

Força Feminina no leite

Lançado em 2014 no formato Farmer Producer Organization (FPO), com sede em Tirupati, agora é copropriedade de 109 mil mulheres do sul da Índia. Toda mulher que fornece leite para o laticínio torna-se uma acionista orgulhosa da empresa.

A jornada da empresa começou com a aquisição de leite de um pequeno grupo de aldeias no distrito de Chittoor com o apoio do National Dairy Development Board (NDDB). Hoje, suas raízes se espalharam por toda parte, cobrindo cinco distritos do sul de Andhra Pradesh, cinco em Tamil Nadu e um em Karnataka.

O segredo por trás desse sucesso sem precedentes é o sentimento de propriedade entre suas acionistas que se sentem apegadas ao seu trabalho. Essas mulheres também mostram um compromisso estrito com a qualidade do leite e buscam ter adulteração zero. 

Volume de negócios

Como resultado, conquistou um nicho para si na região sul de Rayalaseema, rica em lácteos. “Alcançamos um faturamento de ? 7,06 bilhões (US$ 86,46 milhões) no ano passado e agora pretendemos atingir ? 9 bilhões (US$ 110,21 milhões) este ano”, disse o CEO Jayatheertha Chary ao The Hindu. A empresa também obteve um lucro impressionante de ? 50 milhões (US$ 612.300), a maior parte voltando para as donas de dividendos.

A empresa tem garantido consistentemente fortes ligações para frente e para trás. Munida de um suprimento garantido de leite de impressionantes 600 mil litros por dia, mesmo de vilarejos do interior, a empresa levou adiante sua política de marketing para chegar às gôndolas dos supermercados, além de abastecer diretamente na porta de casa.

Além do leite convencional, requeijão e leitelho, a empresa ampliou sua linha de produtos adicionando ghee, lassi, paneer e iogurte para atender às diversas necessidades do mercado. Um estudo mostrou que o leite embalado atende a apenas 40% do mercado de leite, enquanto a venda a granel atende aos 60% restantes.

De olho em um enorme potencial neste segmento, Shreeja recentemente se aventurou neste mercado levando leite não processado refrigerado das Unidades de Resfriamento de Leite a Granel (BMCUs) próximas para os centros urbanos mais próximos. “Não se trata apenas de explorar o potencial do mercado, mas abordar as práticas irregulares desenfreadas predominantes na cadeia de suprimentos, que é propensa à adulteração”, disse Jayatheertha Chary CEO da Shreeja Mahila Milk Producers Company Limited.

Nomeada como ‘Milk ATM’, a unidade de venda móvel foi recentemente sinalizada em Tirupati em conjunto pelo Superintendente Adicional de Polícia E. Supraja, Diretor de Projeto DRDA D.M.K. Thulasi e o diretor e presidente da MMPCL, K. Sridevi. “Não se trata apenas de explorar o potencial do mercado, mas abordar as práticas irregulares desenfreadas predominantes na cadeia de suprimentos, que é propensa à adulteração”, ressalta Chary.

Como oferta inaugural, o leite refrigerado é vendido a ? 45 (US$ 0,55), contra o preço de mercado aberto de ? 55 (US$ 0,67) o litro. “Seguindo a resposta, em breve colocaremos dez desses veículos em serviço em Tirupati e exploraremos outras cidades de Nível III nos distritos em que temos presença”, acrescenta Chary.

Fonte: MilkPoint

🚀 Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão? ✅ 👉🏽 Para isso é só entrar em nosso grupo do WhatsApp (clique aqui) ou Telegram (clique aqui). 🚜🌱 Você também pode assinar nosso feed pelo Google Notícias

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com