Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?

Influências argentinas e relatório do USDA: como impactam os preços dos grãos

A presença significativa da Argentina nos preços grãos, juntamente com a iminência do próximo relatório do USDA, são pontos de destaque na formação das cotações.

O agricultor dedicado à produção de soja e milho enfrenta o desafio constante de monitorar atentamente o ambiente externo para identificar o momento ideal de comercializar sua safra.

Atualmente, um elemento complicador surge, impactando o cenário de preços: a Argentina. O país vizinho projeta volumes expressivos na produção de soja e milho, exercendo pressão sobre os preços dessas commodities. No entanto, é crucial considerar outros elementos que contribuem para essa equação.

A seguir, apresentamos a análise da plataforma Grão Direto, destacando os diversos fatores que deverão influenciar as cotações dos dois grãos nos próximos dias.

Desempenho nas exportações dos Estados Unidos

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) relata que as vendas líquidas atingiram o ponto mais baixo do ano durante as atividades de comercialização. Este declínio é principalmente atribuído à reduzida demanda da China. Adicionalmente, a soja norte-americana ainda mantém custos superiores em comparação com outros países até o momento. A expectativa é de que a recente queda nas cotações de Chicago contribua para atenuar essa condição. Contudo, os custos logísticos relacionados a conflitos persistem, continuando a exercer um impacto significativo sobre o preço final da oleaginosa.

Destaque para a Argentina

A Bolsa de Cereais revisou a previsão de colheita de soja, estabelecendo-a em 52 milhões de toneladas. Esta cifra representa mais que o dobro da produção anterior, considerando a última safra. No entanto, a comunidade especializada recebe essa projeção com cautela, devido à expectativa de condições climáticas extremas nesta semana, uma fase crucial para o desenvolvimento dos grãos.

Perspectivas sobre as exportações

Segundo a Secretaria de Comércio Exterior (Secex), as exportações brasileiras de soja alcançaram a marca de 2,6 milhões de toneladas, superando mais que o triplo do volume exportado em janeiro do ano anterior, que foi de aproximadamente 800 mil toneladas. Esses números estabelecem um novo recorde para o mês, ultrapassando a marca anterior de 2,5 milhões de toneladas em 2022. É altamente provável que essas exportações estejam vinculadas às transações comerciais do ano passado, ocorridas antes da queda nos preços.

Antecipando os desenvolvimentos mencionados, é provável que a soja em Chicago experimente mais uma semana desfavorável, refletindo-se também no mercado físico brasileiro.

Análise do relatório de oferta e demanda global

Prevê-se uma estabilidade nos números, com a expectativa de produção no Brasil possivelmente inalterada. Na Argentina, por outro lado, prevê-se um aumento na oferta de milho. No caso do milho norte-americano, ajustes nas projeções de oferta e demanda podem ocorrer.

Dinâmica do mercado do milho

Exame do relatório de oferta e demanda global: Antecipa-se poucas variações nos números, com a expectativa de produção no Brasil possivelmente mantida. Na Argentina, há a perspectiva de um aumento na oferta do cereal. Quanto ao milho norte-americano, ajustes nas projeções de oferta e demanda são possíveis.

Persistência do ritmo de exportações

Sazonalmente, é esperado que o ritmo de exportações diminua nos próximos meses, retornando apenas no segundo trimestre. Nesse ínterim, o mercado interno assumirá um papel crucial na demanda pelo cereal e na movimentação das cotações.

Escrito por Compre Rural

VEJA TAMBÉM:

ℹ️ Conteúdo publicado pela estagiária Ana Gusmão sob a supervisão do editor-chefe Thiago Pereira

Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão? Para isso é só entrar em nosso grupo do WhatsApp (clique aqui) ou Telegram (clique aqui). Você também pode assinar nosso feed pelo Google Notícias

Não é permitida a cópia integral do conteúdo acima. A reprodução parcial é autorizada apenas na forma de citação e com link para o conteúdo na íntegra. Plágio é crime de acordo com a Lei 9610/98.

Siga o Compre Rural no Google News e acompanhe nossos destaques.
LEIA TAMBÉM