Insumos caros e preço baixo do leite faz vaca ter destino incerto

Insumos caros e preço baixo do leite faz vaca ter destino incerto

PARTILHAR
Foto: Angela Buffon

Com o preço dos insumos alimentares em alta e do leite em queda, produtores começam a deixar a atividade; aumento no preço da arroba da vaca gorda faz abate ser destino de matrizes

O IBGE divulgou recentemente os dados da produção de leite no Brasil referentes ao último trimestre de 2020. O relatório aponta uma diminuição considerável do volume produzido em relação a 2019. Além disso, o IBGE também apontou retração no consumo de leite pela população, o que tem feito com que o preço do litro de leite pago ao produtor permaneça nos patamares atuais.

O problema é que com o preço pago atualmente, os produtores não estão conseguindo arcar com os custos da produção, e isso tem desestimulado muitos que estão vendendo seus animais e abandonando a atividade.

Já no primeiro bimestre de 2021, enquanto gastos com os principais itens que compõem os custos da atividade leiteira continuam subindo, os valores pagos pelo leite ao produtor registraram queda intensa. Isso evidencia que o ano de 2021 deve ser ainda mais desafiador, o que exigirá muita cautela do produtor. E a pressão sobre os custos vem especialmente dos grãos.

custo leite abril

Assim, o peso dos alimentos concentrados (a ração, que é composta basicamente por milho e farelo de soja) vem aumentando ainda mais sobre o bolso de pecuaristas, o que certamente resulta em achatamento das margens da atividade.

Nos estados de São Paulo e do Paraná, a média do desembolso com a ração representou 41% da receita do primeiro bimestre, contra 31% no mesmo período do ano passado. Para Minas Gerais e Santa Catarina, em média, 39% da receita vinda com a venda do leite esteve comprometida com a aquisição dos concentrados e, no Rio Grande do Sul e Goiás, cerca de 35% da receita foi destinada à compra de alimentação.

Situação complicada em vários estados

Em Mato Grosso, segundo o IMEA/MT, muitos produtores de leite viram na forte valorização do preço da arroba da vaca gorda uma oportunidade de ganho, e destinaram suas matrizes para abate.

Em MT, segundo IMEA, produtores aproveitaram o aumento no preço da arroba da vaca gorda e estão vendendo seus animais. No MT, o preço do leite pago ao produtor em mar.21 referente ao volume captado em fev.21 foi cotado a uma média de R$ 1,60/l, decréscimo de 2,36% no comparativo mensal.

Dados divulgados pelo Cepea apontam que no RS o preço do leite pago ao produtor alcança R$2,07/l, em SP chega a R$2,17/l, em MG o valor é de R$ 2,06/l, e no PR o preço pago ao produtor é de R$ 2,04/l.

Produtores cobram uma ação efetiva do Governo Federal para auxiliá-los

Diante deste cenário, algumas associações têm buscando a meses uma intervenção do Governo Federal na situação. Os representantes dos movimentos Construindo Leite Brasil, Aliança e Ação/Aproleite Goiás, União e Ação e Inconfidência Leiteira, que mobilizam milhares de produtores nas mídias sociais e em grupos de mensagens, têm se reunido com frequência com a ministra Tereza Cristina (Agricultura) e a equipe técnica do Mapa para debater ações emergenciais e um plano nacional de médio e longo prazo e estruturante para o desenvolvimento da cadeia leiteira.

A expectativa deles era que a ministra pudesse ajudá-los de forma mais efetiva, mas eles dizem que até agora não receberam nenhuma sinalização de alguma medida emergencial para socorrê-los. Reclamam ainda que as suas propostas para o Compete Leite Br – política nacional para o setor que o Mapa está elaborando – enfrentam resistências, ou seja, não estão sendo incluídas no plano. “A ministra tem no dado atenção, mas os problemas seguem sem solução”, diz o produtor Rafael Hermann, de Boa Vista do Cadeado (RS).

Os produtores também estão buscando apoio de deputados federais e senadores, além do apoio dos governadores dos estados a causa do leite. Infelizmente segundo eles, parece haver desinteresse ou falta de vontade política para que as ações emergenciais do Governos sejam portas em prática.

Em uma notícia recentemente divulgada a algumas agências de notícia do seguimento, o produtor Rafael Hermann disse que o momento é extremamente crítico, com muita gente abandonando a atividade leiteira ou vendendo animais para o abate para honrar os compromissos. Se esta situação persistir, corremos sério risco de ter um forte desmonte da cadeia.

Rafael Hermann defende a inclusão de algumas ações emergenciais no próximo Plano Safra. “Depois de todo esse tempo em que estamos fazendo reivindicações, esperamos que pelo menos incluam, no Plano Safra, o financiamento para milho silagem e pastagem, com seguro rural para essas culturas. Também entendemos que recém-lançado crédito para retenção de matrizes precisa ter o prazo alongado de 24 meses para 48 ou 60 meses, com pagamento semestrais e carência.”

“Isso acudiria os produtores de leite neste momento em que, além dos altos custos de produção e da queda do preço do leite ao produtor, também vemos o consumo cair em razão da pandemia, que tirou renda do consumidor e desempregou milhares de pessoas”, continuou.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.