IZ terá orçamento de quase R$ 11 mi para pesquisas

IZ terá orçamento de quase R$ 11 mi para pesquisas

touro-nelore-herdeiro-da-iz1
Touro Nelore Herdeiro do IZ / Foto: ABS Pecplan

Fapesp destina R$ 10,7 mi para desenvolvimento de pesquisas do Instituto de Zootecnia em 2018

O recurso será para desenvolver pesquisa em três áreas estratégicas – produção sustentável de carne, produção sustentável de leite, e sistemas integrados de produção agropecuária.

O Instituto de Zootecnia (IZ) receberá investimento do Governo do Estado de São Paulo de R$ 10,7 milhões para desenvolver pesquisa em três áreas estratégicas – produção sustentável de carne, produção sustentável de leite, e sistemas integrados de produção agropecuária.

O órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento está entre as 10 Instituições de pesquisa de São Paulo contempladas pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), por meio do Plano de Desenvolvimento Institucional de Pesquisa (PDIP-IZ), relacionado ao Edital de Modernização dos Institutos de Pesquisa do Estado de São Paulo.

Para a diretora do IZ, pesquisadora Renata Branco Arnandes, os recursos liberados são de suma relevância para o desenvolvimento das áreas estratégicas de pesquisa do IZ, a aplicação dos investimentos irá potencializar as ações de pesquisas já em andamento. “Com os investimentos propostos será possível ampliar a competitividade da economia paulista no foco produção de carne e leite de qualidade e sistemas integrados de produção, avançar em direção à economia do conhecimento e ao desenvolvimento tecnológico, formar pessoal qualificado, fomentar a pesquisa e a inovação e integrar as atividades de pesquisa com as necessidades da economia e da sociedade”, afirmou.

Renata destacou que as pesquisas desenvolvidas nos Institutos Estaduais de Pesquisa do Estado de São Paulo têm por característica serem de longo prazo, constituindo-se em Programas Institucionais de pesquisa. “Nossas pesquisas fornecem pacotes tecnológicos completos, material genético de alto valor produtivo e econômico, além dos resultados de pesquisa pontuais para o avanço do conhecimento, criando novas cooperações científicas e tecnológicas com instituições de pesquisa de referência.”

Com a implantação do PDIP-IZ, Renata disse que buscarão solucionar o grande problema da pecuária brasileira e mundial, satisfazendo as necessidades da população mundial quanto à quantidade de carne e as necessidades dos consumidores quanto à qualidade da carne. “Mantendo a rentabilidade da produção, diminuindo impactos ambientais, minimizando o uso de recursos naturais, e, consequentemente, melhorando a eficiência da produção de carne.”

A execução do PDIP-IZ está alinhada à missão institucional, possibilitando atender aos programas estratégicos da Secretaria de Agricultura e às políticas públicas do Estado de São Paulo, com foco na geração e transferência de tecnologias para o setor produtivo.

Áreas estratégicas

Touro28_IZ_melhoramento-Genetico
Foto: Instituto de Zootecnia

Em produção sustentável de carne, o objetivo é expandir a capacidade de pesquisa e geração de tecnologia em produção de carne, intensificando as pesquisa nas linhas de avaliação de alimentos para ruminantes, avaliação quantitativa e qualitativa da carcaça, andrologia animal, comportamento e bem-estar animal, sanidade, eficiência alimentar, estratégias de mitigação de metano entérico, genômica e melhoramento genético de bovinos de corte e de ovinos. Tudo focado nos três grupos de pesquisa do CNPq, coordenados e certificados pelo IZ e APTA Alta Mogiana: Seleção para Aumento da Produtividade em Bovinos de Corte (desde 2004), Produção Sustentável de Ovinos e Caprinos (desde 2004), e Pecuária Intensiva – Modelo de Produção Boi 777 (desde 2016).

Segundo a diretora do IZ, o recurso possibilitará o aumento da difusão de tecnologias para o setor de carnes. “Iremos expandir a disponibilidade de animais geneticamente superiores em características de importância econômica – resultados do Programa de Melhoramento das Raças Zebuínas e Caracu do IZ –, assim como a intensificação da transferência das tecnologias geradas pela APTA Alta Mogiana, onde o conjunto de pesquisas em nutrição e produção intensiva a pasto gerou o conhecido conceito do “Boi 777”, que teve o pedido de registro junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial, deferido em junho de 2017”, detalhou.

bovinos-leite-IZ-2007-2009-4
Foto: Instituto de Zootecnia

Em Produção Sustentável de Leite, a finalidade é intensificar as pesquisas científicas voltadas ao desenvolvimento de mecanismos adaptativos frente às mudanças climáticas, por meio do uso eficiente dos recursos naturais, diversidade genética e manejo.

De acordo com o pesquisador Aníbal Eugênio Vercesi Filho, a produção está fundamentada nos pilares resiliência, qualidade do leite, ambiência e bem-estar, e reprodução baseada em biotecnias reprodutivas, dentre elas a inseminação artificial em tempo fixo, a transferência de embriões em tempo fixo, as produções de embriões in vivo e in vitro, que “são focos dos Grupos de Pesquisa do CNPq, coordenados e certificados pelo IZ, como Sustentabilidade na Produção de Bovinos Leiteiros e Melhoramento Genético”.

As pesquisas em andamento envolvem avaliação e aprimoramento de sistemas de criação de bezerros, devendo servir como modelo para produtores rurais e empresas; avaliação de sistemas de produção leiteira, com destaque para o Compost Barn –um sistema alternativo aos de confinamento para gado leiteiro, praticamente sem estudos científicos realizados no país, envolvendo manejo, bem-estar e tratamento de dejetos; melhoramento genético animal, envolvendo projetos de seleção e cruzamentos com foco em produção de proteína, resistência à mastite e longevidade; formação de rebanho com animais homozigotos para o alelo A2 da beta caseína; sanidade e qualidade de leite, atuando na monitoração de propriedades leiteiras do Estado de São Paulo, em parceria com a Defesa Agropecuária e a Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI); e controle de contaminantes ambientais e resíduos de medicamentos, com foco na melhoria da produção e qualidade do produto final.

Além disso, por meio de biotécnicas reprodutivas empregadas no Centro de Pesquisa em Bovinos de Leite do IZ e na UPD de Registro e nas propriedades parceiras, objetiva-se acelerar o melhoramento genético, disponibilizar tecnologia para os meios acadêmicos e produtivos, e fornecer aos produtores de leite do estado de São Paulo animais com alto valor genético e baixo custo. O IZ torna-se uma fonte de genética leiteira, principalmente, para os pequenos produtores, auxiliando no aumento de renda, agregando valor ao produto final.

Na área de sistemas integrados de produção o foco está em implantar arranjos produtivos para explorar sinergismos e propriedades emergentes nos compartimentos solo, plantas, animais e ambiente, demonstrando viabilidade técnica e econômica.

Segundo a pesquisadora Luciana Gerdes, os sistemas integrados começaram a ser alvo de pesquisas, sob a hipótese de que seriam a alternativa eficiente e sustentável para a produção vegetal e animal. “O uso desses sistemas permite a produção de alimentos de origem animal e vegetal, em mesma área e em único ano agrícola, tendo como benefícios as melhorias físicas, químicas e biológicas do solo, a intensificação da produtividade vegetal e animal, a mitigação de gases de efeito estufa, a racionalização do uso de defensivos e fertilizantes, além de possíveis vantagens econômicas, pautadas na diversificação de renda e no menor risco de flutuações de mercado”, detalhou.

Os trabalhos estão caracterizados em quatro grupos de Pesquisa do CNPq, também coordenados e certificados pelo IZ: Produção Animal em Sistemas Integrados (desde 2014), Pastagem e Forragicultura (desde 2012), Controle Sustentável de Parasitos em Ruminantes (desde 2014) e Produção Sustentável de Ovinos e Caprinos (desde 2013).

Os grupos incluem as linhas de pesquisa sobre avaliação da morfofisiologia de gramíneas e leguminosas forrageiras tropicais, avaliação de sistemas de integração agrosilvipastoril, sistemas integrados de produção agropecuária, emissão e absorção de gases em sistemas agropecuários, melhoramento genético e biotecnologia de plantas forrageiras, manejo de pastagens, comportamento e bem estar animal, avaliação de ovinos em sistemas tropicais de produção, e controle sustentável de ectoparasitas e helmintos de ruminantes.

Segundo o secretário da Agricultura, Arnaldo Jardim, São Paulo é o Estado que mais investe em pesquisa no Brasil e tem mantido investimentos no segmento agropecuário, representando um salto de qualidade para o desenvolvimento científico e tecnológico paulista. “Os recursos da Fapesp irão colaborar para o desenvolvimento do IZ, diante da modernização da infraestrutura para as pesquisas”, ressaltou.

Por Lisley Silvério via IZ

PARTILHAR

Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.