Jovem pecuarista conta desafios de assumir fazenda

Jovem pecuarista conta desafios de assumir fazenda

giulian-rios-pecuarista-aos-21
Foto: Diego Silva / Agro Agência Assessoria

Após cursar medicina veterinária Giulian Rios iniciou o processo de sucessão familiar de uma propriedade rural em Rochedo (MS) aos 21 anos de idade

Aos 21 anos se deparou com os desafios da falta de experiência e conflitos familiares, mas com insistência obteve sucesso. Sua experiência foi compartilhada nesta segunda-feira (20), na sede do Sindicato Rural de Campo Grande, durante o Grupo de Troca de Experiências (GTE), organizado pelas comissões da Famasul Jovem e MNP Jovem.

“Prepotência, arrogância e imaturidade fizeram parte da minha trajetória de sucessão. Meu pai com conhecimento empírico e eu com conhecimento técnico não nos entendíamos, e isso gerava conflito”, afirma Rios, que começou a solucionar o problema após optar por vivenciar a propriedade mais de perto, abrindo mão do trabalho de músico. Outra ação que o fez um produtor rural acima da média, foi a busca por conhecimento. “Participei do Agrotalento, curso do Miguel Cavalcanti, que me estimulou e mostrou novos caminhos, novas alternativas. Descobri, por exemplo, que para cada conversa, cada diálogo existe um tom correto a se utilizar”, afirma o pecuarista.

Quem disse que Nelore não é dócil?

Uma publicação compartilhada por Marca Peixe (@marca_peixe) em

Giulian Rios atualmente é diretor do Movimento Nacional dos Produtores (MNP) e associado ao SRCG. Durante sua apresentação considerou as diferenças entre ser herdeiro e sucessor, apresentando os quatro pilares que contribuem para seu dia a dia: “Determinação, paixão, fé e base familiar”.

O presidente do Sistema Famasul, Mauricio Saito, evidenciou durante a reunião os desafios da liderança no agronegócio e dividiu com os jovens suas experiências. Apresentou também um registro fotográfico, feito há alguns anos com os amigos Eduardo Riedel (Governo do Estado), Luís Alberto Moraes Novaes (Diretor da Famasul), e outras autoridades. Na época todos eram apenas produtores rurais e atualmente ocupam cargos de representatividade, liderança que exige uma dedicação extra.

Durante o evento o presidente do SRCG, Ruy Fachini Filho, também compartilhou suas experiências de sucessão familiar e sua trajetória sindical. O dirigente sanou dúvidas dos jovens e afirmou que o sucesso depende de duas palavras: humildade e informação. “É necessário que todos participem do máximo de atividades possíveis, e de forma voluntária, isso além de informação, acarreta em networking, elemento que não tem preço e pode ser predominante no sucesso de um negócio. Mas tudo, e cada etapa, deve ser vivenciada com humildade, só assim, essa pessoa será uma referência no que faz”, destacou o presidente do Sindicato Rural.

Diferença entre chácara, sítio, fazenda e medidas de terra no Brasil

Agro Agência Assessoria via Sindicato Rural de Campo Grande