Lucro dos frigoríficos melhorou com greve e dólar

Lucro dos frigoríficos melhorou com greve e dólar

PARTILHAR
abate-frigorifico-carcacas
Foto: Divulgação

Depois de sofrerem com a concorrência acirrada na compra de bois para abate no primeiro trimestre, os frigoríficos de carne bovina do país foram ajudados no segundo trimestre pela valorização do dólar.

Como resultado disso, a margem das indústrias — sobretudo as exportadoras — teve expressiva melhora.

As empresas de médio porte, que dependem mais do mercado doméstico e chegaram a trabalhar no vermelho em alguns momentos do ano, também contaram com um inesperado e positivo efeito da paralisação dos caminhoneiros.

A greve afetou o escoamento e a produção de carne bovina no fim de maio, levando a desabastecimento pontual do atacado, o que elevou os preços no mercado interno, com reflexo positivo na rentabilidade.

Além disso, o preço do boi gordo ficou menor em decorrência da greve, o que fez os frigoríficos ganharem nessas duas pontas.

“Compraram [o gado] mais barato e venderam a carne muito mais cara”, disse o analista da consultoria MB Agro, César Castro Alves.

“Tivemos um fôlego de um mês pós-greve”, admitiu Paulo Bellincanta, que é sócio-fundador do frigorífico Frialto e associado da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec).

Conforme o levantamento da consultoria MB Agro, o ‘spread’ — indicador de margem bruta que mede a diferença entre a carne vendida no atacado e o preço do boi gordo — atingiu em junho o melhor nível em praticamente um ano. No último mês, essa diferença ficou em 1,03%. A média da série histórica, que começou em 2010, é de 0,96% Em geral, esse indicador é baixo (muitas vezes negativo) porque não contempla a venda subprodutos como couro.

Na exportação, que contou com a ajuda do dólar apreciado, a melhora é ainda mais substancial, segundo a MB Agro. No primeiro trimestre, a diferença de preço entre a carne bovina exportada e a cotação do boi gordo no país ficou em 4%, de acordo com Alves. Em abril, esse indicador alcançou 9% e em maio, 24%.

A melhora é um reflexo, principalmente, da alta do dólar, disse o analista da MB Agro. “Com carne e boi estável, o dólar ajudou muito”, afirmou. No segundo trimestre, o cotação do dólar (ptax) ficou, em média, em R$ 3,60, de acordo com o Valor Data. Trata-se de uma apreciação de 11% na comparação com a média do primeiro trimestre, de R$ 3,24. “O dólar é o que está tornando o equilíbrio da indústria de carne bovina possível”, afirmou ao Valor o executivo de um frigorífico, que não quis ser identificado.

Na avaliação de Bellincanta, o dólar favorável às exportações tem reflexos positivos no mercado interno, sobretudo para os frigoríficos de médio porte. “Os três grandes se voltaram para as exportações com mutia força, o que dá um respiro no mercado interno”, disse, em alusão a JBS, Marfrig e Minerva.

Para o segundo semestre, as expectativas também são positivas, conforme o presidente da Abiec, Antônio Camardelli.

“A perspectiva para o segundo semestre é ótima”, afirmou, ressaltando a possibilidade da reabertura do mercado americano de carne bovina in natura e a abertura da Indonésia ainda neste ano.

Com informações do Valor.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com