Mangalarga autoriza utilização de éguas receptoras sem registro

Mangalarga autoriza utilização de éguas receptoras sem registro

Égua com potro
Foto: Divulgação

Utilização de receptoras sem registro e sem cadastro. Para as registradas, os critérios continuam os mesmos.

O Serviço de Registro Genealógico (SRG) da ABCCMM informa que a partir de 29 de maio de 2017, estará disponível no sistema da Associação a possibilidade da realização de comunicação de cobrição pelo método de transferência de embrião utilizando-se receptoras não cadastradas, ou seja, sem registro e/ou microchip.

Neste caso, o usuário deverá selecionar no momento da realização do comunicado a opção de receptora sem registro. Em seguida, o sistema irá gerar automaticamente um número fictício para esta receptora, que deverá ser informado no momento de comunicar o nascimento do produto resultante desta comunicação. A utilização de receptora sem registro e/ou microchip acarretará na cobrança de uma taxa de R$250,00 no momento do comunicado do nascimento. O SRG ressalta ainda que a utilização de receptoras registradas na ABCCMM continua com os mesmos critérios, ou seja, não gerando cobranças de taxas ou anuidades.

O cadastro de receptoras sem registro continua podendo ser realizado normalmente através da aplicação de microchip e pagamento de taxa no valor de R$700,00, entretanto, não será mais cobrada a anuidade para utilização destas receptoras.

Fonte ABCCMM

PARTILHAR

Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.