Mapa: estratégia para redução de gases de efeito estufa na agropecuária

Mapa: estratégia para redução de gases de efeito estufa na agropecuária

Foto Divulgação. Fonte: G1

Em colaboração com a Embrapa, inicia-se processo para atender metas da ONU sobre mudanças do clima.

Técnicos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e da Embrapa reuniram-se na última quinta-feira (11) para criar estratégia de implementação da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) do setor agropecuário brasileiro na redução de emissões de gases do efeito estufa (GEE).

A elaboração da estratégia também contará com a participação do setor agropecuário para definir qual será a contribuição brasileira. Esse processo deverá estar concluído no primeiro semestre de 2018.

A NDC do Brasil foi apresentada na 21ª Conferência das Partes (COP-21), realizada pela Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças do Clima (UNFCCC), mediante a assinatura do Acordo de Paris em 2015, e ratificada em 2016, na COP 22, em Marrakesh, Marrocos.

As metas da NDC brasileira estabelecem a redução das emissões GEE em 37% abaixo dos níveis de 2005, com prazo até 2025, assim como a redução das emissões de gases em 43% abaixo dos níveis de 2005, com prazo até 2030.

“Este compromisso nos remete à elaboração de uma nova estratégia nacional para atendimento das metas’’, disse Elvison Ramos, Coordenador de Agropecuária Conservacionista, Florestas Plantadas e Mudanças Climáticas do Mapa.

“Mais uma vez as metas são ambiciosas, já que, em 2009, na COP-15, em Copenhague, em um papel protagonista, o governo brasileiro firmou o compromisso voluntário de redução de 36,1% e 38,9% das emissões GEE até 2020”.

No caso da agricultura, os compromissos assumidos em 2009 se referem às ações em que o potencial de mitigação das emissões sejam de 133 a 162 milhões toneladas de CO2 equivalentes. Avanços para o atendimento desta meta na agropecuária foram alcançados com a criação do Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças Climáticas – decreto 7.390, de 2010, que ficou conhecido como Plano ABC (Agricultura de Baixa Emissão de Carbono) .

O objetivo do Plano ABC, em primeiro lugar, é garantir o aperfeiçoamento contínuo das práticas de uso e manejo sustentáveis dos recursos naturais que reduzam a emissão GEE. Segundo, aumentar a fixação de CO2 na vegetação e no solo. Terceiro, diminuir a vulnerabilidade dos produtores, das comunidades rurais e dos ecossistemas, ampliando a resiliência dos sistemas produtivos. Quarto, promover o uso sustentável da biodiversidade.

“Para o atendimento dos novos compromissos do Brasil”, disse ainda Elvison Ramos, “é premente o fortalecimento das ações que vêm sendo desenvolvidas com o Plano ABC, vitrine para todo o mundo de uma agropecuária sustentável”.

As informações são do MAPA.

-- conteúdo relacionado --
Nova variedade de capim eleva ganho de peso da boi... Um capim mais nutritivo tanto em proteína bruta quanto em digestibilidade, que carrega benefícios superiores em comparação às demais cultivares da esp...
Vendas de adubos foram recordes no Brasil em 2017 De acordo com Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda), foram entregues 2,36 milhões de toneladas de adubos no país em dezembro de 2017. O v...

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com