Membros do MST são removidos de Fazenda de Blairo Maggi

Membros do MST são removidos de Fazenda de Blairo Maggi

PARTILHAR
desocupa mst blairo maggi
Foto: TV Centro América

Famílias são retiradas de fazenda do ex-ministro em operação de reintegração de posse em MT, área é de reserva legal destinada à preservação permanente.

Líder do movimento cobrava valor de R$ 500 de cada família. Alimentos, móveis e até mesmo animais de estimação foram abandonados na hora da desocupação. Uma operação retirou famílias da fazenda do ex-ministro da Agricultura, Blairo Maggi, no município de Campo Novo do Parecis, a 397 km de Cuiabá essa semana. A polícia retirou as famílias que tinham invadido da Fazenda Morro Azul em cumprimento a um mandado de reintegração de posse. A desocupação aconteceu de forma pacífica.

Enquanto as famílias eram comunicadas sobre a ordem de reintegração de posse, funcionários da fazenda demoliram os barracos.

A fazenda pertence ao Grupo Amaggi, que pertence ao ex-ministro e à família dele. A polícia e oficiais de Justiça chegaram juntos e comunicaram as famílias sobre a decisão judicial. Mais de 48 famílias tinham construído barracos na propriedade. A ordem da operação era derrubar todos os barracos e desocupar a área.

Segundo as famílias, o líder do movimento é conhecido apenas como ‘Jonas’. Ele teria cobrado o valor de R$ 500 de cada família para entrar na área.Os moradores dizem que pagaram porque acreditavam que iriam ter o direito a 35 hectares de terra.

Outro lado

O Grupo Amaggi confirmou por meio da assessoria que comprou a propriedade no ano passado e que em fevereiro deste ano a área foi invadida e, por isso, pediu a reintegração à justiça. A área é de reserva legal destinada à preservação permanente.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.