Menor oferta do lado vendedor dá sustentação às cotações do milho em...

Menor oferta do lado vendedor dá sustentação às cotações do milho em plena colheita

PARTILHAR

Os preços firmaram no mercado interno a partir de meados de julho, com as recentes revisões para baixo da produtividade da segunda safra, conforme avança a colheita.

Diante disso, a ponta vendedora tem se mostrado mais retraída com relação a oferta, à espera de preços melhores.

Segundo levantamento da Scot Consultoria, na região de Campinas-SP, a saca de 60 quilos está cotada em R$37,50, para a entrega imediata, sem o frete, frente a negócios em até R$35,50 por saca no final de junho.

Apesar do cenário de preços mais firmes e altas pontuais, a referência está 6,1% abaixo da média de junho deste ano. A própria safra (colheita) e mercado mais lento têm limitado as altas de preços.

Entretanto, em relação a julho do ano passado, o milho está custando 49,1% a mais este ano.

Considerando a praça de São Paulo, atualmente é possível comprar 3,76 sacas de milho com o valor de uma arroba de boi gordo.

O poder de compra do pecuarista melhorou 8,8% em julho em relação junho deste ano, com as altas no preço da arroba e patamar mais baixo de preço do cereal.

Já na comparação com julho de 2017, a relação de troca piorou 24,7% para o pecuarista. É 1,23 saca de milho a menos adquirida com o valor de uma arroba de boi gordo no estado.

Para o curto prazo (agosto), a expectativa é de mercado firme para o grão diante da menor oferta do lado vendedor, porém, com as altas limitadas pela colheita da segunda safra. Pontualmente, as cotações podem cair, da mesma forma que ocorreu ao longo de julho.

Já no médio e longo prazos (a partir de setembro), a previsão é de que as exportações brasileiras de milho grão ganhem força, o que poderá dar uma puxada nos preços no mercado brasileiro para cima.

Fonte: Scot Consultoria

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com