Mercado do boi gordo: Santa exportação!

Mercado do boi gordo: Santa exportação!

PARTILHAR
Vacada nelore
Foto: Divulgação

As exportações seguem sendo o grande destaque do ano e a forte alta do dólar no mês de agosto ajudou a acelerar o ritmo que já vinha bastante forte.

No acumulado de janeiro a agosto nosso volume exportado já é 15% acima do mesmo período do ano passado e a expectativa é de que esse número cresça ainda mais no decorrer do segundo semestre. 

Se em volume o crescimento foi grande, em faturamento os números foram ainda melhores, já que com a alta do dólar, o valor recebido em reais pela tonelada exportada cresceu enormemente reafirmando o papel das exportações como um fator cada vez mais relevante na precificação do boi gordo.

Acompanhe na figura 1 a evolução do preço médio em R$/tonelada da carne bovina in natura exportada nos últimos 12 meses.

Figura 1. Preço médio em R$/tonelada da carne bovina in natura exportada pelo Brasil.

Fonte: Secex / Elaborado por Radar Investimentos

Nas exportações o cenário segue como o mais favorável possível, já que temos expansão de volume com alta nos preços e vem daí a grande discrepância do poder de compra entre as indústrias exportadoras (principalmente as habilitadas para a China) e as menores que atuam só no mercado doméstico.

Esse cenário é bom, mas poderia ser bem melhor caso a China já tivesse habilitado as outras plantas que estão na lista de espera há mais de 6 meses. A boa notícia nesse aspecto é que finalmente a tal “auditoria on line” dos chineses finalmente foi marcada e ao que tudo indica sairá do papel.

Depois de tantas idas e vindas com relação a isso, ninguém está muito confiante dos resultados disso no curtíssimo prazo, porém, com a visita do presidente Bolsonaro na China marcada para o final de outubro, é possível que finalmente a novela tenha um final feliz.

Fonte: Scot Consultoria

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com